O ex-diretor-geral do Senado, João Carlos Zoghbi e sua esposa, Denise Zoghbi, servidora aposentada da Casa, negaram nesta quarta-feira em depoimento à Polícia do Senado as acusações que fizeram à revista Época, dando conta de que o ex-diretor-geral do Senado, Agaciel Maia, com a suposta participação dos senadores Romeu Tuma (PTB-SP) e Efraim Moraes (DEM-PB), teriam participação em todas as empresas terceirizadas do Senado.

De acordo com o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, nenhuma responsabilização foi apontada pelo casal. De nenhum senador nem do ex-diretor.

Eles explicaram de forma pormenarizada a reportagem e acho que ficou esclarecido que eles não conhecem nenhum tipo de irregularidade e que em nenhum momento eles falaram de qualquer senador, disse Kakay, como é conhecido o advogado em Brasília.

Os dois foram ouvidos pela Polícia do Senado somente sobre as acusações que fizeram à Época contra Agaciel e supostamente contra os senadores. O depoimento vai servir de base para a abertura, ou não, de uma sindicância interna para investigar os uspostos ilícitos.

Kakay ainda disse que nada foi perguntado sobre a sindicância que já está aberta, que investiga o uso de uma laranja ¿ no caso a ex-babá dos filhos do casal ¿ para a abertura de empresas que recebiam recursos de operadoras de crédito consignado no Senado.

O depoimento do casal durou cerca de quatro horas e eles saíram sem falar com a imprensa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.