Em carta entregue ao STF, Battisti apresenta sua versão sobre acusações de homicídios

BRASÍLIA - O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) encaminhou nesta quinta-feira aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) uma carta do refugiado político Cesare Battisti na qual ele faz um relato pormenorizado de como atuou, na década de 70, no movimento italiano de extrema esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC). Battisti está preso no presídio da Papuda, em Brasília, aguandando o julgamento, no STF, de um pedido de extradição feito pelo governo da Itália.

Agência Brasil |

Na carta, Battisti afirma que o processo que o responsabiliza pelo assassinato de quatro italianos e que o condenou à prisão perpétua, com privação de luz solar, está repleto de vícios. O ex-militante do PAC diz, ainda, que foi utilizado no processo como bode expiatório, pois, segundo ele, as acusações baseiam-se em depoimentos de integrantes do Proletários Armados pelo Comunismo, presos pelo governo italiano e beneficiados pela delação premiada.

Em troca das acusações, relata Cesare Battisti, os ex-integrantes do PAC teriam sido beneficiados pelo governo da Itália pela redução e, por vezes, a libertação dos colaboradores. Um deles, de acordo com Battisti, foi  Pietro Mutti, o chefe militar do movimento.

AP

Battisti preso no Brasil em 2007

Na carta enviada aos ministros do Supremo Tribunal Federal, o ex-militante anexou os documentos apresentados pela historiadora e arqueóloga Fred Vargas ao governo brasileiro. Os documentos comprovariam a falsificação de procurações e apóiam as explicações detalhadas das folhas nas conclusões da Justiça italiana a meu respeito.

Battisti reconhece que participou, durante a luta armada na década de 70, de roubos a bancos. Afirma, entretanto, que nunca atirou em ninguém e diz ter aversão a sangue.

Vossas Excelências podem também pedir a informação aos meus irmãos, Vicenzo e Domenico, como eu reagia quando era jovem e matavam um animal em nossa pequena exploração agrícola, mesmo que fosse um frango. Essa aversão a sangue nunca diminui a vida de um homem, diz Battisti na carta.

    Leia tudo sobre: battisti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG