Em carta aberta, Polanski agradece apoio contra extradição

PARIS ¿ Em sua primeira declaração desde que foi preso, o cineasta Roman Polanski agradeceu as mensagens de apoio que tem recebido na Suíça durante a batalha judicial para não ser extraditado para os Estados Unidos, onde seria sentenciado por ter feito sexo com uma menor de idade na década de 1970.

Redação com Reuters |

Getty Images

O diretor Roman Polanski

"Essas mensagens vieram dos meus vizinhos, de pessoas de toda a Suíça e além da Suíça ¿ de todo o mundo", disse o premiado diretor em carta aberta publicada no site do intelectual francês Bernard-Henry Levy.

"Gostaria que todos soubessem como é encorajador, quando se está trancado em uma cela, ouvir este murmúrio de vozes humanas e solidariedade no correio matinal", escreveu ele.

O cineasta franco-polonês, de 76 anos, foi detido a pedido das autoridades dos EUA quando chegou à Suíça para receber um prêmio, em 26 de setembro. Agora ele aguarda a tramitação do processo sob prisão domiciliar em um chalé alpino na localidade turística de Gstaad.

Polanski fugiu dos EUA em 1978, às vésperas de receber a sentença no caso de pedofilia, porque acreditava que o juiz lhe imporia 50 anos de prisão, apesar de um acordo para a redução da pena feito por seus advogados. O diretor é acusado de ter feito sexo com uma adolescente de 13 anos.

O Ministério da Justiça suíço disse que decidirá em 2010 se extradita Polanski, cujas obras incluem "O Pianista", ganhador do Oscar, "O Bebê de Rosemary", "Chinatown" e "Repulsa ao Sexo".

Leia mais sobre: Roman Polanski

    Leia tudo sobre: roman polanski

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG