Em busca do tempo perdido Por Eduardo Diório São Paulo, 17 (AE) - Há menos de um mês a gerente de loja Roberta Drummond, de 31 anos, deu início ao seu projeto verão: ela quer ficar com o corpo sarado para aproveitar os dias quentes que estão por vir. Em 40 dias, a meta é definir a barriga para colocar aquele biquíni que ficou escondido no fundo da gaveta durante o ano inteiro.

"Às vezes sinto que estou pegando pesado e posso me machucar, tudo porque quero que o efeito apareça o mais rápido possível."

Assim como Roberta, outras mulheres também estão com o sinal de alerta aceso e correm contra o tempo. Infelizmente, segundo os profissionais da área, esse desespero não resolve a situação, só prejudica a saúde e estimula o temido efeito sanfona. Conclusão: você até pode passar o verão em forma, mas se não continuar com a malhação não entrará ‘naquele’ jeans no inverno.

"Normalmente, sempre que o calor se aproxima temos um aumento de 30% no número de alunas matriculadas. Na hora em que chegam para conhecer a academia, dizem que estão desesperadas e querem colocar tudo em cima para as festas de fim de ano e carnaval", revela Renata Guarnieri, professora de educação física, pós-graduada em personal trainer e responsável técnica da academia Curves da Vila Madalena, na zona oeste de São Paulo. "Muitas vezes, a aluna entra bem animada e quer malhar tudo o que não malhou durante o ano todo. Isso é extremamente perigoso para a saúde do corpo, pois dá chance para as lesões", completa.

Na opinião do ortopedista Lafayette Lage, especialista em medicina esportiva, mestre em artroscopia do quadril e membro do Departamento de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, toda pessoa que passa algum tempo afastada dos esportes deve receber orientação médica antes de voltar à ativa. "Tanto aquele atleta que treina excessivamente quanto quem está abandonando o estado de inércia e dando início à prática entusiasmada de esportes precisa saber que as chances de sofrer uma lesão são altíssimas."

Lage diz que as lesões são causadas pelos exercícios de curta e alta duração, independentemente da intensidade. "É muito comum, principalmente entre os jovens, a pessoa se animar a tal ponto que perde a noção do tempo enquanto pratica esportes. Foi daí que criaram a expressão 'ratos de academia'. O supertreinamento pode lesionar todas as partes moles do corpo, como ligamentos, tendões e músculos". A melhor maneira de prevenir entorses, distensões, contusões e outros problemas, segundo o especialista, "é evitar o aumento do número de dias por semana em que se pratica esportes (volume de treinamento), bem como evitar aumentar a intensidade dos exercícios".

De acordo com os especialistas, o jeito de evitar possíveis lesões é simples: basta usar a regra dos 10%, que sugere ao esportista não aumentar a intensidade ou a duração do treinamento além desse percentual. Por exemplo: uma pessoa que corre 10 quilômetros por semana pode aumentar sua distância na semana seguinte em um quilômetro, passando a correr 11. Essa regra também deve obedecer a limites, caso contrário, depois de alguns meses, o percurso estaria muito longo.

A administradora de empresas Carolina Carneiro, de 29 anos, treina há mais de 12 anos, mas raramente consegue fazer exercícios sem ter de parar em algum momento - geralmente por conta de viagens, trabalhos e até por causa ‘daquela’ preguiça. Ela, que já está acostumada com a malhação, tem um ritmo mais pesado e segue um treino rigoroso para queimar as gordurinhas. "Meu treino é de alta freqüência, que ajuda a definir mais rápido e a queimar o que está sobrando. Faço tudo com muita cautela para evitar desgaste do corpo ou algum possível machucado que me impeça de malhar", explica.

Já que o objetivo atual da administradora é eliminar três quilos até o fim do ano, sua série teve de ser adaptada. "Além de malhar, faço exercícios aeróbicos, corro na esteira e pedalo. Tudo isso para ficar bem no verão. Minha auto-estima melhora, me sinto mais feliz e com qualidade de vida", diz. Carolina também cuida da alimentação. "Não sou neurótica, mas gosto de comer bem, principalmente na época em que freqüento a academia. Parece que meu corpo pede alimentos saudáveis."

Para quem não está acostumado a comer de forma saudável, a nutricionista da Fórmula Academia, também em São Paulo, Gisele Pavin, especialista em nutrição clínica funcional, sugere usar um ‘agente de limpeza’ natural, como o germe de trigo, a aveia, o gergelim ou a linhaça, misturados em partes iguais, para limpar o organismo das toxinas acumuladas. "Esse mix fica ótimo com iogurtes desnatados ou sobre as frutas e saladas."

A especialista também sugere a ingestão de verduras e saladas, além de sucos energéticos, ricos em antioxidantes, como os de acerola, lichia e abacaxi. Carnes magras à noite e carboidratos integrais em pequenas porções estão no cardápio para o resgate do antigo peso. "Adicionar sabor à água com folhas de hortelã e outras especiarias, para quem não pratica a hidratação freqüente do organismo, ajuda a enveredar pelo bom hábito e para o emagrecimento", diz Gisele.

"As pessoas precisam entender que 60% do processo de emagrecimento tem a ver com a alimentação. Em nada adianta se matar por duas horas na academia durante toda a semana, chegar em casa e se entupir de doces e gorduras e ir dormir. Desta forma, os resultados esperados nunca vão chegar", garante Meire Alves, instrutora de pilates da academia Lembu-Kan Sports. "Se a pessoa mantiver um ritmo de exercícios razoável e conciliar com uma boa alimentação, supervisionada por um nutricionista, em duas semanas já é possível ver o progresso de emagrecimento", completa.

FORÇA DE VONTADE
Mesmo com tanta disposição e vontade de deixar o corpo em forma, é preciso ter, além de cautela, determinação para enfrentar as atividades físicas. "Todo final de ano é a mesma coisa, bate aquele arrependimento dos planos feitos e não realizados. Parece uma corrida pelo tempo perdido, as pessoas lotam as academias e os consultórios, querem fazer tudo o que não fizeram no ano", analisa a psicoterapeuta Maura de Albanesi. "Para que tudo dê certo, mesmo que os objetivos já tenham sido metas do ano anterior, é importante ter força e determinação interior que digam: ‘Agora eu vou fazer.’"

Foi dessa maneira que a assessora de marketing Magali Almeida, de 33 anos, decidiu entrar na academia. "Queria retomar a minha forma física, só que nunca tinha vontade. Agora vai ser diferente, já que fiz um plano semestral e não terei como me boicotar", diz. Juntamente com a musculação, Magali faz aulas de power jump, ioga e pilates. "Alcancei meu primeiro objetivo, que era eliminar alguns quilos. Agora só falta definir para colocar o tão sonhado biquíni. Isso me deu estímulo para continuar", garante.

Boxe:
EVITE TRAUMAS - DICAS PARA MALHAR
De acordo com o quiropraxista Jason Gilbert, a falta de orientação e a realização de exercícios sem critérios podem gerar diversas crises. Para evitar problemas, confira as dicas:

Avaliação física - Antes de iniciar qualquer atividade física, o aluno deve passar por exames cardiovasculares e testes de resistência física

Orientação - O aluno deve seguir a seqüência de exercícios adequada ao seu perfil e contar com a supervisão de um profissional habilitado

Alongamento - Realize alongamentos todos os dias. Caso faça musculação, essa tarefa deve durar, no mínimo, 10 minutos

Freqüência - Atinja o ápice de sua resistência física lentamente, entre 12 e 14 semanas

Hora da malhação - Não malhe durante horas seguidas. Ingira água antes, durante e depois do treino

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.