Eloá tem morte cerebral confirmada por médicos; família definirá doação de órgãos

SÃO PAULO - A jovem Eloá, de 15 anos, sequestrada por mais de 100 horas pelo ex-namorado, Lindembergue Alves, de 22 anos, teve morte cerebral, informou a equipe médica do Centro Hospitalar Santo André. A adolescente é mantida viva por ajuda de aparelhos.

Lecticia Maggi, repórter Último Segundo |

A equipe médica aguardará a morte natural, já que a eutanásia, o ato de desligar os aparelhos, é proibida pela legislação brasileira. Os médicos informam que é impossível prever uma data para morte caso a família não permita a doação dos órgãos. Ela entrou em coma irreversível na tarde deste sábado.

Se o aval for confirmado, uma equipe especializada nesse tipo de intervenção já foi enviada ao Centro Hospitalar de Santo André.

Antes de confirmar a morte cerebral, os médicos informaram que foram realizados exames específicos, mas Eloá não apresentou nenhuma atividade cerebral. A confirmação do estado da jovem veio às 23h30.

O Secretário de Saúde de Santo André, Dr. Homero Duarte, já afirmara que a sobrevivência de Eloá era improvável. Segundo Duarte, para avaliar uma morte encefálica são necessárias duas equipes médicas. Os pais das jovens estão em observação no hospital, auxiliados por psicólogos e psiquiatras.

AE
Exame mostra onde bala ficou alojada/ Foto AE
Exame mostra onde bala ficou alojada no cérebro da jovem Eloá/ Foto AE

A diretora do Centro Médico Hospitalar de Santo André, Rosa Aguiar, explicou que a bala não pode ser retirada. O projétil entrou pelo lado direito da testa e ficou alojado no lado direito da nuca, o que prejudica o quadro da jovem. A lesão no cérebro foi agravada pelos fragmentos da bala, causando um quadro chamado lesão térmica, que contribui com o aumento do edema. O outro disparo, que atingiu a virilha de Eloá, foi retirado. Baleada na cabeça, ela perdeu muito sangue e massa encefálica. 

Nayara

A outra jovem, Nayara, que levou um tiro no rosto, passa bem, segundo informações do cirurgião buco-maxilo-facial, Gabriel Pastore. Nayara, internada na unidade de terapia semi-intensiva, não deve ter sequelas e a previsão é que seja liberada em sete dias. Ela ainda não foi informada da morte cerebral da amiga. 

"Ela está tendo uma melhora progressiva", afirmou o médico. A jovem apresenta muita sonolência, mas, de acordo com o médico, isso "é normal". O maior risco para a jovem é o perigo de infecção.

Serra foi ao centro hospitalar
Serra foi ao Centro Hospitalar/ Foto AE

O governador de São Paulo, José Serra, foi ao centro hospitalar para visitar as jovens durante a madrugada. O prefeito de Santo André, João Avamileno, também compareceu ao hospital por volta de 9h da manhã para prestar solidariedade à família das vítimas.

AE
Amigo se emociona diante do hospital
Amigo se emociona diante do hospital

O caso

O sequestro começou na segunda-feira (13). Lindemberg invadiu o apartamento de Eloá por volta das 13h30, por estar inconformado com o fim do relacionamento com a estudante. Na terça-feira, ele libertou a amiga da ex-namorada, Nayara, que foi rendida novamente na manhã de quinta-feira. Seu retorno foi pedido pelo sequestrador como condição para a libertação de Eloá, mas, quando a menina entrou no apartamento, se tornou refém de novo.

Apesar de amigos dizerem que Lindemberg é uma pessoa tranqüila, o coronel disse que durante toda a operação o comportamento do sequestrador variou muito entre o agressivo e o compreensivo. Félix ainda afirmou que, segundo Nayara, o adolescente agredia a ex-namorada.

Ele defendeu a atuação da polícia no caso, afirmando que tentaram preservar a vida de todos, mas que a ocorrência era de alto risco. Do mesmo jeito que estão questionando agora, poderiam estar aplaudindo, afirmou.

(Com informações da Agência Estado)

Leia também:

Leia mais sobre: sequestro

    Leia tudo sobre: seqüestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG