mensalão mineiro - Brasil - iG" /

Eduardo Azeredo nega envolvimento em mensalão mineiro

BRASÍLIA - O presidente da Comissão de Relações Exteriores, Eduardo Azeredo (PSDB-MG), disse na reunião do colegiado que não há qualquer documento que confirme o uso de recursos de caixa dois na sua campanha à reeleição ao governo de Minas Gerais, em 1998. O episódio ficou conhecido como ¿mensalão mineiro¿.

Agência Brasil |

O presidente do colegiado disse aos senadores que, na época, não autorizou qualquer ação neste sentido e que aguarda o julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta quarta-feira, o ministro-relator da matéria, Joaquim Barbosa, aceitou parte da denúncia contra Azeredo acusado pelo Ministério Público de peculato e de lavagem de dinheiro.

AE
Sessão de julgamento no Supremo Tribunal Federal

Sessão de julgamento do mensalão mineiro nesta quarta-feira no Supremo Tribunal Federal

Azeredo não teria registrado recursos usados nas contas da campanha em um suposto esquema que envolveu a empresa de publicidade SMP&B, de propriedade de Marcos Valério. Barbosa disse ter identificado vários indícios da existência de peculato (desvio de recursos por funcionários públicos), cometido pelo senador.

O parlamentar destacou que existe um recibo no valor de R$ 4,5 milhões assinado por ele que simplesmente é falso. Esse recibo, de acordo com Eduardo Azeredo, faz parte de um processo movido por ele há dois anos contra Newton Monteiro, a quem acusou de estelionatário.

Newton Monteiro, é o homem que lançou a lista de Furnas e quer imputar mal feitos a homens públicos. Quero reiterar que me submeterei à decisão do Supremo Tribunal Federal, completou o senador. O julgamento interrompido nesta quarta-feira será retomado nesta quinta-feira à tarde .

Em 2005, Monteiro apresentou à Polícia Federal uma lista com o nome de 156 políticos de 12 partidos que teriam recebido doação ilegal, por meio de caixa dois da estatal Furnas Centrais Elétricas para campanhas eleitorais de 2002. A maioria dos parlamentares citados era da base governista do então presidente Fernando Henrique Cardoso e do então candidato ao governo paulista Geraldo Alckmin.

AE
Sessão de julgamento no Supremo Tribunal Federal
Ministro Joaquim Barbosa, relator do processo
O episódio ocorreu durante a investigação da CPMI dos Correios que apurou a participação de partidos de apoio ao governo Lula na compra de votos de parlamentares. As investigações levaram a abertura de processos contra 40 autoridades e empresários, entre eles Marcos Valério, proprietário das empresas de publicidade SMP&B e DNA e que também estaria envolvido com o "mensalão mineiro".

Eduardo Azeredo disse também, logo após a reunião do colegiado, que Newton Monteiro, além de acusado por ele é alvo de processos de várias empresas e que isso serviu de prova ao ministro Joaquim Barbosa. Quero trazer a minha indignação porque isso é um recibo falso, que nunca assinei, mas que é utilizado de prova na peça acusatória.

Quanto ao patrocínio de R$ 500 mil do Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge) a uma competição de Iron Biker e ao Mundial de Motocross, que teria sido feito pela SMP&B, o senador disse que desconhecia o assunto. Fiquei sabendo no ano passado sobre o patrocínio do Bemge. Não autorizei os patrocínios mencionados e o recibo da SMP&B é falso.

Leia mais sobre: Eduardo Azeredo

    Leia tudo sobre: eduardo azeredomensalãomensalão mineirostf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG