SÃO PAULO - Já passa de 65 horas o drama da estudante Heloá, de 15 anos, mantida refém, desde as 13h30 de segunda-feira, pelo ex-namorado, Lindembergue Fernandes Alves, de 22 anos, em um apartamento da CDHU no Jardim Santo André, em Santo André, no ABC paulista.

Até as 2h desta madrugada, da Rua dos Dominicanos, era possível se perceber luzes no interior do apartamento. Parte da claridade vinha do aparelho de TV, que foi desligado pelo sequestrador depois deste horário.

A Polícia Militar não conversou com a imprensa durante toda a madrugada e aumentou a área de isolamento do prédio. Os repórteres foram colocados a uma distância em linha reta de 150 metros e em um ponto do qual não é possível visualizar o bloco muito menos as janelas do apartamento onde a estudante é mantida refém.

Por volta das 5h desta manhã, a polícia se aproximou um pouco mais do imóvel, mas não foi informado se as negociações via celular ocorreram durante a madrugada.

O caso

Lindembergue Alves, de 22 anos, invadiu o apartamento por volta das 13h30 de segunda-feira, 13, por estar inconformado com o fim do relacionamento com Heloá.

Na noite de terça-feira, ele libertou a amiga da ex-namorada do rapaz, identificada como Nayara. A garota, também de 15 anos, passa bem e não apresenta ferimentos.

Pouco antes da libertação, às 22h, foi restabelecido o fornecimento de energia elétrica que havia sido cortado seis horas antes. A decisão foi tomada porque, durante a tarde, um tiro havia sido disparado dentro do apartamento e a refém seria liberada.

Leia mais sobre: sequestro

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.