Dona da Daslu é condenada a 94,5 anos de prisão

SÃO PAULO - Eliana Tranchesi, uma das sócias da Daslu, foi condenada a uma pena de 94,5 anos de prisão. Três anos são pelo crime de formação quadrilha, 42 pelo crime de descaminho consumado (importação fraudulenta de um produto lícito), 13,5 anos por descaminho tentado e mais 36 por falsidade ideológica.

Lecticia Maggi, repórter do Último Segundo |

De acordo com o procurador da República Matheus Baraldi Magnani, responsável pela acusação, as fraudes, somadas às multas e juros que não foram pagos, chegam a quase R$ 1 bilhão de reais. "O objetivo aparente da quadrilha era não pagar imposto nenhum", afirmou o procurador.

Magnani explicou que, mesmo com a lei dizendo que o réu não deve ficar solto até que se esgotem as suas possibilidades de recurso, o caso de Eliana Tranchesi é uma exceção. Dois fundamentos principais justificam sua prisão. Um deles é que na denúncia foi imputado o crime de organização criminosa e, judicialmente, nesse caso, o réu fica proibido de recorrer em liberdade.

Felix Lima
Eliana Tranchesi

Eliana Tranchesi é sócia da Daslu e já foi presa em 2005

"Era uma organização criminosa muito articulada e confiante na projeção social e no poder político", disse Magnani. Além disso, enquanto estava respondendo o processo, Eliana teria reiterado a prática criminosa, segundo o procurador, o que também justificaria sua prisão.

Como a ação não atinge a empresa, a boutique Daslu não deve ser fechada.

O procurador disse que, na sentença proferida pela juíza Maria Isabel do Prado, da 2º Vara Federal de Guarulhos, entre os motivos para justificar penas altas estão a "cobiça" e um "gigantesco e bilionário esquema delinquencial". "Os réus não precisavam disso, esse é um argumento muito forte. Eles poderiam continuar viajando para a Europa, andando em carros importados, sem ter praticado os crimes", afirmou Magnani.

O irmão de Eliana, Antonio Carlos Piva de Albuquerque, também pegou 94,5 anos de prisão. Foi preso ainda Celso de Lima, ex-diretor financeiro da Daslu, condenado a 53 anos.

Ao todo, sete pessoas foram condenadas, entre elas Roberto Sakhouri Júnior, da importadora "Todos os Santos". Ele pegou 11,5 anos de pena e no momento está viajando. Os outros três condenados não foram localizados, mas não são considerados foragidos. André de Moura Beukers, da importadora "Kinsberg" foi condenado a 25 anos.

Christian Polo, da importadora "By Brasil", pegou 14 anos de prisão. Outro condenado, Rodrigo Nardy Figueiredo, também da importadora "Todos os Santos", foi condenado a 11,5 anos.


Leia mais sobre:

Eliana Tranchesi

    Leia tudo sobre: daslu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG