Homens foram baleados na cabeça enquanto dormiam em uma avenida, em Águas Claras. Polícia não tem suspeitos e investiga o caso

selo

Dois moradores de rua foram assassinados na manhã deste sábado, em Águas Claras, cidade-satélite do Distrito Federal. De acordo com a Polícia Civil, cada um dos dois homens foi baleado com um tiro na cabeça enquanto dormia na Quadra 11, na região de Areal. Ainda não há suspeitos para o crime, que ocorreu por volta das 6h.

Coluna: Ataques mostram que violência contra população de rua tornou-se crônica no País

Crescimento: Médico vê aumento de violência contra moradores de rua no DF

A delegada de plantão Silvana Quintana, do 21º DP, de Taguatinga-Sul, diz que as duas vítimas não foram identificadas ainda. "Ninguém viu [o homicídio]. Nenhuma hipótese [para o motivo do crime] é descartada", afirmou. O Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar foram acionados para a ocorrência e remoção dos corpos.

Sete suspeitos: Polícia do DF identifica acusados de incendiar moradores de rua

Há cerca de duas semanas, outros dois moradores de ruas foram incendiados em Santa Maria, a 26 km de Brasília. Com 63% atingido pelo fogo, uma das vítimas não resistiu e morreu . O outro homem está internado e ainda corre o risco de morte. 

Índio pataxó

A brutalidade do crime relembrou o ocorrido há quase 15 anos com o índio pataxó Galdino Jesus dos Santos, queimado vivo enquanto dormia em um ponto de ônibus na avenida W3 sul, uma das principais vias de Brasília. Os culpados eram jovens de classe média que alegaram ter feito isso por diversão.

Em 2001, quatro dos cinco participantes do crime foram condenados, em júri popular, a 14 anos de prisão por homicídio doloso. Em 2004, os quatro rapazes ganharam direito a liberdade condicional. Um menor de idade, à época com 16 anos, cumpriu três meses de reclusão no centro de reabilitação juvenil no DF.

Leia outros casos no País:

No Recife: Morador de rua tem 45% do corpo queimado no Recife

Em São Paulo: Moradores de rua são agredidos por seguranças de mercado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.