Documentário sobre a vida de Jards Macalé estreia no Festival do Rio

RIO DE JANEIRO ¿ Há cinco anos, Marco Abujamra e João Pimentel decidiram vasculhar a vida do cantor e compositor Jards Macalé para fazer um documentário. A ideia era contar as histórias de um dos mais irreverentes e contestadores artistas do País, o ¿maldito¿ da música brasileira.

Carolina Monterisi |

Acordo Ortográfico

No documentário, as histórias conversam com as músicas de Macalé e ajudam a contar as quatro décadas de carreira do compositor de Vapor barato. O filme estreia nesta edição do Festival de Cinema do Rio e é um dos dez finalistas da competição entre longas documentais.

Para montar Jards Macalé - Um morcego na porta principal, os diretores foram até o tranquilo distrito de Penedo, a 177 quilômetros do Rio. Lá, conheceram sua casa e vasculharam sua vida. Entre recortes de jornal, fotografias e vídeos, a história do artista começou a ser construída. Eles abriram meu baú e foram trabalhando com o material que encontravam, conta o artista.

O Macalé não é um cara de muitos segredos. Assume sem problemas sua trajetória, tanto os bons como os maus momentos, revela Marco Abujamra. O compositor assume que não viu problema em falar sobre os momentos polêmicos da sua carreira, como sua apresentação no Festival Internacional da Canção (em 1969) em que protestou contra a pressão do governo militar com a música Gotham City. É bom estar em paz com o passado para ter um presente bem resolvido. 


A vida do compositor Jards Macalé é contada por amigos no documentário/Divulgação

Além de conversas com o artista, os diretores também entrevistaram quase 40 pessoas que fazem e fizeram parte da vida do maldito. Paulinho da Viola, Gilberto Gil, José Celso Martinez Correa, Dori Caymmi e até a mãe do compositor ajudam a decifrar quem é Jards Macalé. Muitos ficaram fora da montagem final e alguns entram com poucas palavras, mas todos foram fundamentais para o filme, afirma Abujamra.

O diretor diz que eles tentaram mostrar os muitos aspectos da vida do compositor. Sua delicadeza, sua sensibilidade, seu talento incrível, o humor e a força. Porque ele é o cara que confunde, que é sarcástico, que chegou pra bagunçar o coro dos contentes.

Abujamra e Pimentel quiseram filmar a história de Macalé por causa de sua exclusão injustificada pelo público como personagem de primeiro time da música e da arte em geral. Apesar de ter o apoio do artista durante toda a produção, Abujamra também conta que foi preciso tomar cuidado na hora de recontar algumas histórias. Muitas das polêmicas em torno dele foram fabricadas ou destorcidas de alguma forma. E isso assusta.

Além de radiografar a carreira de Jards Macalé, Abujamra acredita que o documentário também fala sobre o que é ser artista no Brasil e sobre as pressões do mercado. Na verdade, acho que é mais do que ser artista. É um questionamento sobre a dificuldade de se falar o que se acredita sem ser massacrado. E isso todos nós sofremos, de uma forma ou de outra, completa.

E o que o controverso Macalé achou de ver sua vida na tela? Achei legal, ficou melhor do que imaginava, diz. Direto e sem dúvidas.

"Jards Macalé - Um morcego na porta principal"
Quinta-feira (02/10), 22h30 ¿ Odeon Petrobras
Sexta-feira (03/10), 16h - Odeon Petrobras
Sábado (04/10), 13h30 e 20h10 - Est. Vivo Gávea 3

Veja também:

  • Programação completa no site oficial
  • Assista aos curtas em competição no Porta Curtas
  • Última Parada 174 abre maratona de 350 filmes do Festival do Rio


    Leia mais sobre: Festival do Rio 

    • Leia tudo sobre: festival do rio

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG