Doação de leite: quanto mais a mãe tirar, mais leite terá para seu bebê

Doação de leite: quanto mais a mãe tirar, mais leite terá para seu bebê Por Deborah Bresser São Paulo, 08 (AE) - Muitas dúvidas e mitos ainda rondam a doação de leite materno. Primeiro, é um erro achar que, ao doar leite, vai faltar alimento para o seu filho.

Agência Estado |

"É uma visão equivocada. A produção de leite depende de estímulo e quanto mais leite você tira, mais você tem, para doar e para o seu bebê", garante a artista plástica Gisele Karesia, mãe de quatro filhos - de 16, 14, 10 anos e da pequena Helena, de 3 meses. "Eu sempre tive muito leite e a primeira vez que procurei um banco foi quando o Felipe (de 10 anos) nasceu. Naquela época, não havia muitos bancos e eu consegui um em São Bernardo", lembra Gisele.

Nos seus dois primeiros filhos, ela teve diversos problemas com o excesso de leite. "Eu chorava de dor, colocava bolsa de água quente, o leite empedrava, e acabava jogando leite fora", diz. Doando o excesso, Gisele evita todos esses problemas e ainda se sente gratificada. "É muito bom saber que o leite vai ajudar bebês em situação de risco, prematuros, doentinhos." A doação de leite humano, além de ajudar as crianças, beneficia a doadora, que reduz o risco de câncer de mama e ovários, previne a osteoporose e volta ao peso mais rapidamente.

O destino prioritário dos cerca de 1,5 mil litros de leite humano arrecadados por mês pelos bancos de leite do Estado são exatamente as UTIs neonatais. O ideal para compor o estoque de maneira segura é de, pelo menos, o dobro dessa quantidade. Doar leite materno é mais simples do que se pensa. No Estado, existem 50 centros especializados para coleta de excedente de leite materno.

"As mães devem entrar em contato com um dos bancos de leite ou com o Centro de Referência. Será preenchido um pré cadastro e vamos encaminhar a ficha dela para o banco mais próximo de sua casa. Ela será cadastrada e receberá toda orientação para se tornar uma doadora", explica Maria José. As mulheres consideradas potenciais doadoras devem ter boa saúde, não usar nenhum medicamento e ter os exames sorológicos do pré-natal em dia. Recomenda-se que o consumo de bebidas alcoólicas não exceda a dois copos por dia, e o de cigarros, caso a mãe seja uma fumante inveterada, não passe de 10 ao dia.

As doadoras aprendem a fazer a ordenha manual, a esterilizar os frascos de vidro em que devem armazenar o leite, além de todos os cuidados com higiene e limpeza a que precisam se submeter antes de providenciar a coleta. "As mães devem usar máscaras, ou um pano, no rosto, prender os cabelos e limpar bem as mãos. A mama que estiver mais cheia tem de receber massagem com movimentos circulares, para facilitar o esvaziamento. Assim que retirar o leite, ele deverá ser congelado imediatamente", ensina Maria José.

Os bancos de leite costumam retirar as doações uma vez por semana, na casa das doadoras. Quando o leite chega da coleta domiciliar ele é selecionado e passa por um controle rigoroso de qualidade. Depois, será pasteurizado e avaliado em laboratório para controle microbiológico. Só após o resultado do exame, o leite será rotulado e classificado, para poder ser encaminhado para consumo. Para doar basta entrar em contato com o Centro de Referência pelo 2693-4736. A lista completa de bancos de leite está no site www.fiocruz.br/redelh.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG