Do salto alto à rasteirinha, compra de calçados exige cuidado com a saúde

Do salto alto à rasteirinha, compra de calçados exige cuidado com a saúde Por Eleni Trindade e Saulo Luz São Paulo, 03 (AE) - Conforto e beleza são as principais qualidades que o consumidor espera de um calçado. Mas com tantos tipos e modelos disponíveis no mercado , é preciso tomar cuidados na hora da compra.

Agência Estado |

Para começar, o ideal é compra calçados somente no fim do dia. "É o horário mais indicado, pois é quando os pés já estão inchados e suados. Assim, o comprador diminui o risco de adquirir um sapato que, apesar de ter servido no pé na hora da compra, fique apertado mais tarde", justifica Fabio Ravaglia, ortopedista do Instituto Ortopedia e Saúde (IOS).

Além disso, é importante evitar os sapatos de bicos fino e preferir os que possuem bicos mais largos, arredondados e fabricados com materiais que permitam a transpiração e, ao mesmo tempo, sejam impermeáveis à água. "Quanto mais suor ficar no interior do tênis, mais cheiro vai ter o pé. Além disso, pode provocar frieira e levar a infecções mais graves", diz Ravaglia.

"Após escolher o modelo que mais lhe agrada, o consumidor deve experimentar os dois pés do sapato e andar com eles pela loja para sentir se ele é confortável e se adapta bem aos pés", diz Regina Andrade, técnica do Procon-SP.

Segundo Fabio Ravaglia, é bom deixar uma margem de um centímetro na frente do dedo. "O calçado deve ficar bom na hora. Esse negócio de dizer que está apertado mas vai amaciar depois é besteira. Um sapato ruim pode causar joanete, calos e calosidades nos dedos do pé, dores no pé, frieiras, machucados e até feridas", assinala o ortopedista.

"É preciso se informar sobre a política de troca da empresa, principalmente se o sapato for para presente. Se o vendedor abrir a possibilidade de trocar, peça que a informação seja registrada por escrito na nota fiscal e observe se os dados do fabricante (CNPJ, endereço e telefone de contato) estão visíveis na embalagem", completa Regina. "Caso o lojista não forneça caixa ou embalagem, impossibilitando a identificação do fabricante, é ele que se responsabiliza pela troca ou conserto do produto." Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Pro Teste, lembra que loja não tem a obrigação de trocar calçados comprado do tamanho errado. "É uma prática que depende da loja e fideliza o cliente", lembra.

Boxe:
DICAS
Prefira comprar os calçados no fim do dia, quando os pés estão cansados e inchados para evitar o risco de sapatos apertados quando forem realmente usados

Ande pela loja com o sapato e leve somente os que ficarem confortáveis nos pés e não apertados

Evite calçados de ponta fina e prefira bicos mais largos ou arredondados

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG