Diretor-geral desmente criação de cargos no Senado

BRASÍLIA - O diretor-geral do Senado Federal, Haroldo Tajra, negou que a Mesa Diretora tivesse sugerido que os chefes de gabinete dos senadores, em geral funcionários de carreira, pudessem ser substituídos por pessoas indicadas pelos parlamentares. ¿Em nenhum momento, propusemos novos cargos, a proposta foi feita pela FGV [Fundação Getúlio Vargas ¿ que fez um levntamento com uma série de sugestões para a Casa economizar]¿, se defende.

Camila Campanerut, iG Brasília |


Outra polêmica sobre a proposta de recolocação de três servidores do gabinete dos membros da Mesa Diretora e dos líderes partidários do gabinete para as bases também foi discutida. O primeiro secretário, o senador Heráclito Fortes (DEM-PI) definiu o assunto como "letra morta.

A proposta aprovada pela Mesa Diretora foi anunciada como um consenso entre os líderes e, em seguida, ficou comprovado pelos próprios senadores que alguns líderes não foram sequer consultados.

Nós fomos pegos de surpresa de que não era consenso. Na próxima reunião [da Mesa Diretora], nós vamos anular [a decisão de realocar três funcionários para a base]. Não vai precisar ir o plenário, justifica Fortes.

Segundo Haroldo Tajra, o Senado possui atualmente mais de 6 mil funcionários, sendo 3400 efetivos, 2800 comissionados, sem contar com os 3500 terceirizados. 

Após a apresentação dos dois servidores, o presidente da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), senador Gim Argello (PTB-DF), anunciou que em dezembro será marcada uma nova audiência pública para que mais esclarecimentos sobre cargos, salários e mudanças administrativas sejam apresentados.

Nepotismo

No início de sua exposição, o senador Heráclito Fortes fez questão de informar que a entrada de Haroldo Tajra no cargo de diretor-geral não teve nenhuma interferência dele pelo fato de ter amizade com o pai de Tajra, que é medico no Piauí - Estado que elegeu Fortes como senador.

Não houve nenhuma influência do pai. Não teve nenhuma ligação, nenhuma influência de parentesco. O convite [a Tajra] foi por competência, explica. 

Leia mais sobre: Senado

    Leia tudo sobre: cargo de confiançacargossenadosenadores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG