Diretor mata presidente de rede de farmácias na Bahia

Segundo testemunhas, após matar Waldir Mattos Régis, o diretor da rede Boa Farma Albérico Pinto Lopes cometeu suicídio

AE |

selo

O presidente da rede baiana de farmácias Boa Farma e ex-vice-prefeito de Salvador, na gestão Fernando José (1989-1993), Waldir Mattos Régis, de 71 anos, foi morto a tiros na manhã desta segunda-feira, na sede da empresa, no bairro da Pituba, em Salvador. O autor dos disparos, o diretor administrativo da companhia, Albérico Pinto Lopes, cometeu suicídio logo depois de matar Régis. 

De acordo com o delegado André Carneiro, da 16ª Delegacia da capital baiana, que investiga o caso, os crimes ocorreram por volta das 10 horas, quando Lopes chegou à sede da rede atirando na vítima. Após acertar o presidente da farmácia, Lopes se matou. Régis chegou a ser levado ao Hospital Geral do Estado, mas não resistiu ao ferimento. Outras quatro pessoas estavam no imóvel e testemunharam o crime. 

Integrantes da Boa Farma relataram que os dois vinham tendo desentendimentos desde o início do ano, por causa da disputa pela presidência da rede, que congrega 102 farmácias e faz parte da Federação Brasileira das Redes Associativistas de Farmácias (Febrafar). 

Lopes, que já havia sido presidente da rede, teria a intenção de disputar o cargo mais uma vez, na eleição marcada para 21 de janeiro. Régis, porém, teria vetado a candidatura por Lopes estar inadimplente com a rede e ter perdido o comando da farmácia da qual era proprietário, em uma disputa judicial. 

A inscrição das chapas seria encerrada no próximo dia 30. "Tudo indica que o crime foi cometido pela disputa pelo poder na rede", avalia o delegado. Régis, que foi reitor da Faculdade Dois de Julho e superintendente do Banco do Nordeste, cargo no qual se aposentou, tinha duas farmácias, uma no bairro do Campo Grande e outra no Pituba.

    Leia tudo sobre: farmáciabahiaassassinato

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG