Diretor leva aos cinemas britânicos filme que custou 50 euros

Óscar Tomasi. Londres, 30 jul (EFE).- Mark Price é funcionário de uma empresa de mensagem que quebrou paradigmas com seu primeiro filme, Colin, ao conseguir que fosse exibido em todo o Reino Unido, apesar de a produção ter sido rodada com um orçamento de 45 libras - 50 euros.

EFE |

O orçamento "exorbitante" foi destinado a "comprar chá, café... e alavancas" - chave no cenário do longa-metragem-, explicou à Agência Efe Price, que confirmou que o filme será exibido em outubro em Sitges, nordeste da Espanha, no Festival Internacional de Cinema Fantástico da Catalunha.

O britânico, de 30 anos, é roteirista, diretor e produtor deste filme, que chegará às salas britânicas coincidindo com o Halloween, em 31 de outubro, e que conta a história de um zumbi a partir de uma perspectiva diferente da habitual: a do próprio morto-vivo.

O ator Alastair Kirton interpreta Colin, um homem que é mordido por um zumbi, morre e ressuscita como um deles.

A gravação foi realizada entre Gales e Inglaterra, começou em agosto de 2005 e sua montagem durou 18 meses.

Para o filme foram utilizadas apenas "duas câmeras domésticas", ressaltou Price como exemplo da falta de recursos que a produção enfrentou para ser lançada.

As tarefas de edição foram feitas pelo próprio Price no escritório onde trabalha -situado em Londres- com a única ajuda de um computador e alguns softwares básicos, como o Adobe Premier 6, um aplicativo "muito antigo", nas palavras do próprio diretor.

Durante os 97 minutos de filme, a profusão de sangue que caracteriza o gênero escorre pela tela, com cenas especialmente violentas, como uma em que se crava uma estaca no olho de uma das vítimas e que faz parte do trailer disponível em www.nowherefast.tv.

Para recriar o sangue foi usado "corante alimentício - fornecido por um amigo- misturado com água quente", explicou Price.

Apesar de ter recebido no ano o prêmio especial do júri do festival de cinema de Revenant (Seattle, Estados Unidos) - especializado em filmes sobre zumbis - a busca de uma distribuidora, incluindo uma visita ao Festival de Cannes, não foi fácil.

"(Em Cannes) Não tinha nada a perder, portanto pedi emprestado a um amigo calças, mas eram grandes demais e caíam. Encontrei uma loja barata com algumas por 10 libras (11,6 euros), e uma camisa branca de 35 libras (40 euros), portanto só ir a uma projeção custou mais que meu filme", contou ao "The Daily Telegraph".

O longa-metragem pôde ser realizado com orçamento tão baixo graças também ao uso das redes sociais Facebook e MySpace, através das quais Price convocou pessoas para completar sua equipe, formada por cerca de 100 indivíduos, embora a maioria tenha sido só "amigos e amigos de amigos".

O filme recebeu críticas positivas entre os amantes do cinema de terror e continua utilizando a internet para se promover.

"Gosto de que as pessoas tenham a oportunidade de ver o filme, mas não acho que vamos fazer uma fortuna com ela", disse o criador do projeto, que assegurou que se conformaria em ganhar o suficiente para poder rodar o próximo longa. EFE otp/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG