ROMA ¿ O cineasta Ettore Scola, último dos grandes diretores de comédia italianos, anunciou sua aposentadoria do cinema, alegando que quer estar submerso o tempo todo na realidade.

Ettore Scola / Getty Images

Há cinco anos, Scola deixou de dirigir filmes para o cinema e passou a colaborar em documentários coletivos com claro posicionamento político, como "Um outro mundo é possível", sobre o G8 em Gênova, e "Cartas da Palestina", sobre o conflito nos territórios ocupados.

"Depois de ter participado nesses documentários, me dei conta de que na situação atual fazer um filme comum, com começo, meio e fim, não tem sentido", explicou Scola ao jornal La Repubblica, ressaltando ainda que não acredita que cinema "sirva para muito na Palestina".

"Prefiro gozar minha velhice", afirmou o diretor, recomendando aos leitores do jornal que cheguem a essa fase da vida, pois "é um momento belíssimo".

Entre os motivos para se afastar das filmagens, o cineasta também declarou que o cinema é uma atividade "totalizante, separa você da realidade durante o tempo que dura a filmagem, e eu quero estar submerso o tempo todo na realidade".

Scola, de 77 anos, estreou no cinema oficialmente como roteirista em 1952, mas desde o final da Segunda Guerra Mundial já colaborava ¿ sem assinar ¿ em diálogos para o cinema e o teatro de revista.

Seu primeiro filme como diretor foi "Fala-se de mulheres", de 1963, mas antes Scola já havia se destacado como roteirista em uma parceria fixa com Ruggero Maccari.

O anúncio da aposentadoria chega às vésperas de uma retrospectiva organizada na cidade de Bari, no sul do país, que vai exibir cerca de vinte filmes do cineasta.

O próprio diretor disse detestar as retrospectivas de sua obra, "porque me dou conta dos erros que cometi, os detalhes supérfluos, as repetições".

"Eu acredito que hoje é mais difícil ter bons filmes do que na minha época, porque os jovens não têm a bagagem cultural ou a motivação política que nós tínhamos", admitiu. "Não lamento a queda das ideologias, mas o pior é que não existe nada que as tenha substituído".

Leia mais sobre: Ettore Scola

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.