Diretor da PF garante investigação técnica e transparente sobre escutas

BRASÍLIA - O diretor geral da Polícia Federal (PF), Luiz Fernando Corrêa, se reuniu, na tarde desta terça-feira, com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, para garantir que as investigações sobre grampos ilegais contra o ministro serão feitas da forma mais transparente e com o maior rigor técnico.

Sarah Barros, Último Segundo/Santafé Idéias |

Para tanto, Corrêa pediu o apoio da Suprema Corte que, assim como o Congresso Nacional, poderá designar nomes para acompanhar a apuração. "A resposta do ministro foi positiva no sentido de reforço das instituições e é nesta linha que iremos trabalhar", disse Corrêa.

O inquérito para investigar a instalação de grampo que teria captado diálogo entre o ministro Gilmar Mendes e o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) foi instaurado ontem, por determinação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que também afastou a diretoria da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), apontada como responsável pela escuta. A justificativa seria dar maior transparência às apurações.

Na reunião solicitada pelo diretor-geral da PF, Corrêa também apresentou os dois delegados que irão trabalhar no inquérito: Rômulo Berredo e William Morad. "Como uma das pessoas, vítimas do fato tido como ilegal, ou seja, interceptação de seu contato telefônico, ele [Gilmar Mendes] deverá ser ouvido. Então, viemos apresentar o delegado e, junto com a assessoria, agendar o dia mais conveniente [para o depoimento] como tem a prerrogativa o presidente do Supremo", declarou.

Corrêa reiterou ainda que a Polícia Federal está "pronta e preparada para fazer a investigação na medida em que a sociedade espera".

Opiniões:

Leia também:

    Leia mais sobre: grampos

      Leia tudo sobre: grampos

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG