Dirceu pode depor sobre ex-prefeito de Juiz de Fora-MG

O ex-deputado José Dirceu (PT-SP) pode ser ouvido pela Polícia Federal (PF) sobre a declaração do ex-prefeito de Juiz de Fora (MG) Carlos Alberto Bejani (PTB), que aparece num vídeo apreendido afirmando que se encontraria com ele para negociar a liberação de R$ 70 milhões -, que asseguraria uma comissão de R$ 7 milhões. Bejani, que renunciou hoje ao cargo, refere-se na gravação apreendida pela PF a um financiamento da Caixa Econômica Federal (CEF) aprovado pelo Ministério das Cidades para obras no Rio Paraibuna, que corta o município, como parte do programa Saneamento Para Todos do governo federal.

Agência Estado |

A PF estuda abrir um inquérito para apurar o caso e Dirceu pode depor por meio de carta precatória, possivelmente em São Paulo. "A partir da oitiva e da análise de documentos, se ficar provado que há uma relação criminosa, abre-se um novo inquérito", informou uma fonte federal. Não há data para o depoimento, mas a polícia quer tornar ágil a análise preliminar e deverá encaminhar a carta ainda nesta semana.

Ele negou que houve o encontro com o ex-prefeito de Juiz de Fora e a interferência na liberação do financiamento e classificou de "infame e vil" a suspeita envolvendo o próprio nome. Num dos registros apreendidos, que teria sido gravado em 10 de maio de 2006, Bejani - enquanto contava dinheiro supostamente de propina paga pelo empresário do setor de transporte coletivo Francisco José Carapinha, mais conhecido como Bolão - afirma que, horas depois, se encontraria com Dirceu em Belo Horizonte para tratar da liberação.

Já cassado, o ex-deputado do PT de São Paulo visitou a capital mineira no mesmo dia, quando atendeu a um convite do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) para ministrar uma palestra sobre a mídia e a crise política. O foco do exame da corporação será o contrato de financiamento. A CEF confirmou hoje que, diante das suspeitas, suspendeu, preventivamente, o processo de "execução/liberação de recursos" previstos no contrato de financiamento. Segundo a Caixa, foi liberado R$ 1,86 milhão de um total de R$ 63,2 milhões, referente a recursos do banco, excetuando a contrapartida de R$ 6,3 milhões da prefeitura.

Tribunal

A pedido da PF, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), em Brasília, prorrogou hoje por mais cinco dias as sete prisões temporárias da Operação De Volta para Pasárgada, deflagrada na quinta-feira. Bolão e dois irmãos estão entre os presos temporários. Outros sete acusados cumprem prisão preventiva, entre eles Bejani.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG