Diplomatas buscam solução para impasse agrícola na OMC

Por Jonathan Lynn GENEBRA (Reuters) - Sete grandes potências comerciais estão buscando uma solução para o impasse que impediu em julho a conclusão da chamada Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC), disseram diplomatas na quinta-feira.

Reuters |

Representantes dos sete envolvidos -- Austrália, Brasil, China, Estados Unidos, Índia, Japão e União Européia -- esperam encontrar idéias viáveis para a criação de um 'mecanismo especial de salvaguardas', que protegeria pequenos agricultores de países pobres em caso de surtos de importação e quebra de preços.

Discordâncias entre EUA e Índia a respeito desse mecanismo emperraram a reunião de julho em Genebra, quando havia expectativa de conclusão da Rodada Doha da abertura comercial global, lançada há sete anos.

'Estamos explorando algumas idéias. Até agora, todos foram construtivos no sentido de tentar encontrar soluções, mas ainda há algumas coisas que precisamos esclarecer', disse à Reuters o negociador comercial brasileiro, embaixador Roberto Azevedo.

Segundo ele, também estão sendo discutidas outras questões agrícolas que ficaram pendentes em julho, e pode haver avanços nas próximas 48 horas.

O atual encontro, porém, não abrange os produtos industriais, o outro pilar da Rodada Doha. A OMC ainda precisa nomear um novo mediador para esse tema, já que o anterior deixou o cargo.

Na terça-feira, o diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, disse que poderia convocar uma nova reunião ministerial dependendo dos avanços entre os representantes de menor escalão.

'Um pouco mais de trabalho precisa ser feito antes que as pessoas estejam confiantes com a volta dos ministros', disse o embaixador de um dos sete participantes na OMC, pedindo anonimato.

Diplomatas disseram que o neozelandês Crawford Falconer, mediador da questão agrícola, fará consultas com um grupo mais amplo de países nas próximas duas semanas, na tentativa de superar o impasse. Um encontro com 25 membros da OMC está marcado para 25 de setembro. Para que haja acordo, porém, seria necessário um consenso entre os 153 integrantes da organização.

'A idéia é tentar fazer as coisas para ver se temos um resultado que seria dado a Crawford como contribuição do grupo', disse Azevedo.

Índia, Indonésia e alguns outros grandes países em desenvolvimento dizem que o mecanismo de salvaguarda deve autorizar as nações pobres a bloquearem rapidamente as importações quando isso afetar a subsistência de pequenos agricultores.

Os EUA e países exportadores agrícolas, como o Uruguai, dizem que tais salvaguardas iriam prejudicar o crescimento normal do comércio.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG