A ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, receberá na próxima terça-feira a bancada do PDT para debater o cenário político de 2010. A discussão sobre possíveis alianças na corrida pela Presidência da República irá ocorrer em um jantar na casa da ministra, em Brasília, segundo o articulador do encontro, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o sindicalista conhecido como Paulinho da Força.

"Vamos dar início a essas discussões priorizando uma candidatura única da base governista", afirmou após a convenção estadual do partido.

Depois de ser sondado pelo PSB para compor a chapa com o deputado federal Ciro Gomes (PSB-SP), os trabalhistas agora defendem a união de PDT, PT e PSB, partidos da base governista. Paulinho, no entanto, defende que o nome do cabeça de chapa precisa ser discutido em toda base. "A Dilma é uma grande companheira, mas temos também o Ciro e o PDT coloca o nome do ministro Carlos Lupi (do Trabalho)", disse. Dilma é a pré-candidata do PT para a sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Lupi também esteve presente à convenção do PDT em São Paulo. Na avaliação do ministro, que também é presidente nacional do partido, a disputa eleitoral de 2010 será marcada por aqueles que querem a continuidade do atual governo e pelos que são contra. "A candidatura tem que ser única para permitir que a população escolha se quer ou não a continuidade. Não é boa uma divisão na eleição", disse. O ministro defende o nome de Dilma para ser a candidata única dessa aliança.

Na convenção, o PDT escolheu hoje os integrantes do diretório regional, que também será presidido por Paulinho, e fez uma cerimônia para receber os novos afiliados do partido. O destaque foi a entrada de Ronaldo Giovanelli, ex-goleiro do Corinthians, que deverá sair candidato a deputado estadual no ano que vem.

Enquanto a aliança nacional não for definida, o PDT não irá articular nome ou possíveis negociações para a disputa ao governo do Estado de São Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.