Para fortalecer a candidatura da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, o Planalto quer levá-la para os palanques de inauguração e lançamento de obras pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A Lei Eleitoral não impede a inauguração de obras no período eleitoral, o que permitirá a Lula abraçar a campanha da ministra Dilma, segundo revelou um ministro ao jornal O Estado de S.

Paulo.

Pelo plano traçado, mesmo após deixar o cargo, com a desincompatibilização prevista para até 3 abril, Dilma poderá acompanhar Lula nessas solenidades. A Lei Eleitoral proíbe apenas que os candidatos participem de inaugurações de obras públicas três meses antes das eleições. Assim, Dilma terá de abril a julho para aproveitar essa agenda.

O principal "formador" de palanques será o Ministério dos Transportes. Terá R$ 17 bilhões para investir, este ano, em obras de infraestrutura, garantindo extensa pauta de inaugurações no período eleitoral.

"A determinação do presidente Lula é para que se gaste", revela outro interlocutor do governo. Na reunião ministerial da semana passada, Lula deixou claro que é preciso manter um ritmo forte de execução dos projetos. Os secretários-executivos, que vão substituir os ministros que se afastarão do cargo para concorrer às eleições, foram avisados de que "não poderão afrouxar" na execução dos projetos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.