Dilma rouba a cena em Pernambuco com elogios de Lula

RECIFE ¿ O anúncio do cumprimento da meta de universalização da energia elétrica em Pernambuco, feito ontem no Palácio do Campo das Princesas, acabou se transformando num evento de exaltação principalmente à ministra da Casa Civil e apontada como provável candidata à Presidência da República indicada pelo Partido dos Trabalhadores, Dilma Rousseff.

Agência Nordeste |

Muito emocionado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cumpriu a sua primeira agenda no Estado ressaltando o "esforço" que a correligionária teria feito para assegurar a viabilização do programa federal Luz para Todos.

"Gostaria de agradecer especialmente à ministra Dilma Rousseff pelo esforço feito em 2003. (...) Teve gente que não gostou quando ela falou da importância desse programa (de eletrificação) e citou (o ex-governador de Pernabuco) Miguel Arraes como exemplo de luta pela energia para todos", frisou. Inclusive foram feitas poucas menções ao nome de Arraes, que é avô do governador Eduardo Campos (PSB). Quem mais enfatizou o trabalho dele na luta pela energia foi o próprio neto, além de na abertura do evento um vídeo de cerca de cinco minutos fazer uma breve homenagem a ele.

"Doutor Arraes deve estar muito feliz de ver o presidente em quem ele votou e o governador que ele educou estando aqui, num momento tão simbólico para Pernambuco", destacou Campos, acrescentando que o País, de forma geral, começou a "tomar um novo rumo" sob a liderança de Lula, quando o presidente teria tomado a decisão corajosa de "arrumar" no orçamento recursos no valor de R$ 15 bilhões para iniciar o programa de universalização da energia.

A ministra Dilma Rousseff também foi homenageada com um espaço no vídeo usado durante o evento. Ela aparece fazendo um discurso ainda em 2003, quando o programa Luz para Todos estava sendo lançado. "É um acerto de contas com uma imensa dívida social que temos com muitos brasileiros excluídos", discursa a ministra, na época. Porém, no ato realizado no Palácio das Princesas, ela não foi chamada para falar.

Prestigiaram a solenidade lideranças políticas das mais diversas, a exemplo da governadora do Rio Grande do Norte, Wilma de Faria (PSB), de ministros como José Múcio (Relações Institucionais), Edison Lobão (Minas e Energia), Tarso Genro (Justiça), Sérgio Rezende (Ciência e Tecnologia), além do atual prefeito do Recife, João Paulo (PT), e do prefeito eleito, João da Costa (PT), de deputados federais, estaduais e secretários de governo.

Números

O discurso mais técnico, com os números e investimentos referentes ao programa Luz para Todos, ficou para o ministro das Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB), além do próprio presidente Lula (PT), que o fez de uma forma menos habitual. "São 790 mil quilômetros de fios que colocamos até agora. Poderíamos ter enrolado a terra 30 vezes com a quantidade de fios que colocamos aqui, em Pernambuco. (...) Tive a impressão de estar tirando uma pessoa do século XVIII para o XXI", disse o presidente, explicando que quer, agora, "fiscalização" para garantir que o esquema de iluminação no Brasil não sofra um retrocesso.

Lula ainda citou a quantidade de postes de luz acesos desde o ínicio do programa. Segundo ele, tratam-se de 4 milhões. O presidente lembrou que outros 11 Estados do Brasil atingiram a meta inicial proposta pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para universalizar a energia elétrica. Entretanto, salientou, quando concluíram os trabalhos, descobriram que havia mais pessoas sem energia nas residências. "Eu só quero que o próximo presidente que vier faça o dobro, o triplo do que eu fiz", afirmou.

Enquanto isso, Lobão informou que cerca de 427 mil pessoas em Pernambuco foram contempladas com os trabalhos do Luz para Todos e destacou o atendimento a 85,4 mil residências entre 2004 e 2008 no Estado ¿ 7% acima da meta do programa, de 79,8 mil ligações. O ministro também passou dados alusivos à Região Nordeste. De acordo com ele, 890 mil domicílios nordestinos foram contemplados até o momento, resultando em 4,5 milhões de pessoas atendidas. "Só para se ter uma idéia, foram investidos R$ 13,3 bilhões no setor. Isso significa mais do que o orçamento de diversos estados da federação brasileira", asseverou.

Protesto

Ao término do evento, o presidente Lula e sua comitiva tiveram que assistir a um protesto organizado pelos servidores civis das Forças Armadas do Rio de Janeiro. Com uma faixa que pedia o cumprimento de uma promessa do presidente feita ainda em 2006, eles disseram que esperam por um Plano de Cargos e Salários para a categoria. "Foi uma promessa de Lula que até hoje não foi posta em prática", lamentou o presidente do Sindicato dos Servidores Civis nas Forças Armadas do Rio de Janeiro (Sinfa-RJ), Luiz Cláudio Santana.

    Leia tudo sobre: lula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG