Dilma pede seriedade e serenidade na CPI da Petrobras e comemora avaliação do governo

BRASÍLIA - A ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, disse nesta quarta-feira esperar que a CPI da Petrobras, que deverá ser instalada no Senado Federal, corra de forma séria e serena, levando em conta a importância da estatal para a economia nacional. A ministra espera também que os investimentos na empresa não diminuam por causa das investigações.

Carol Pires, repórter em Brasília |

A Petrobras é uma das maiores empresas deste País. A gente não pode olhar para a Petrobras e pensar numa prefeitura, numa pequena empresa, e nem numa média, disse a ministra, após divulgação do 7º Balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A CPI tem que ser conduzida com seriedade e serenidade porque está em jogo a maior empresa do País, observou.

A ministra observou ainda que a Petrobras será responsável pela exploração das grandes reservas de petróleo encontradas na cama do pré-sal.  Segundo ela, o dinheiro obtido com a exploração dessas reservas seria suficiente para acabar com a fome, a pobreza e ainda aumentar significativamente os investimentos em ciência e tecnologia no País.

Popularidade

Questionada sobre a última pesquisa Sensus , divulgada nesta segunda-feira pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), na qual obteve um crescimento de 16,3% para 23,5% na preferência do eleitorado para as eleições presidenciais de 2010, a ministra se esquivou de responder a pergunta e disse apenas ter ficado feliz com o resultado de que 69,8% dos entrevistados avaliavam positivamente o governo do presidente Lula.

Acho que a população percebe cada vez mais que o governo está fazendo todo os esforços para tirar o País da crise, avaliou a ministra. A população avalia bem no que o governo faz em relação ao PAC, ao Minha Casa Minha Vida, ao Bolsa Família, concluiu.

Entenda a CPI

A CPI criada para investigar irregularidades na Petrobras contou com o apoio de 30 senadores, três a mais que o número mínimo necessário para a criação de uma Comissão de Inquérito. O autor do pedido é o senador tucano Álvaro Dias (PSDB-PR).

Em seu requerimento, Álvaro destaca os seguintes pontos a serem investigados:

  • Indícios de fraudes nas licitações para reforma de plataformas de exploração de petróleo apontados pela operação Águas Profundas da Polícia Federal;
  • Graves irregularidades nos contratos de construção de plataformas, apontados pelo Tribunal de Contas da União;
  • Indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apontados por relatório do Tribunal de Contas da União;
  • Denúncias de desvios de dinheiro dos royalties do petróleo, apontados pela operação Royalties, da Polícia Federal;
  • Denúncias de fraudes do Ministério Público Federal envolvendo pagamentos, acordos e indenizações feitos pela ANP a usineiros;
  • Denúncias de uso de artifícios contábeis que resultaram em redução do recolhimento de impostos e contribuições no valor de R$ 4,3 bilhões;
  • Denúncias de irregularidades no uso de verbas de patrocínio da estatal.


A CPI vai ter 180 dias para realizar seus trabalhos, podendo ser prorrogada por igual período. 

Opinião

Leia mais sobre: CPI da Petrobras


    Leia tudo sobre: dilma rousseff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG