Dilma e Serra preparam estratégia para início da campanha

O tucano José Serra, 68, formalizou nesta sexta sua renúncia ao cargo de governador de São Paulo. Na quarta-feira, a petista Dilma Rousseff, 62, havia feito movimento semelhante, ao deixar o posto de ministra-chefe da Casa Civil. A desincompatibilização é uma obrigação legal para que os dois estejam aptos a disputar, em outubro, a Presidência da República. Serra aposta na fama de bom gestor, nas vitórias recentes nas urnas e em um leque de obras realizada em São Paulo. Dilma tenta se alavancar na imagem de competente e ser beneficiar da popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

iG São Paulo |

Até 02 de julho, pelo calendário eleitoral, ambos não poderão fazer campanha "explicitamente". Dilma deverá seguir o presidente Lula em inaugurações e eventos públicos para reforçar sua imagem. Serra também deverá participar de inaugurações do governo de São Paulo, que passará a ser chefiado por Alberto Goldman. Até o início da campanha, os dois também terão uma maratona que passa pela montagem de palanques estaduais e da escolha de seus vices, procedimentos que dão solidez, abrangência nacional, capacidade de arrecadação e mais tempo no horário eleitoral gratuito de rádio e TV.

A petista inicia a campanha sob a alcunha de mãe do PAC, o Programa de Aceleração do Crescimento. Embora haja atrasos na execução das obras, ela será identificada como a principal executora do governo Lula. Além disso, são atribuídas a ela o sucesso de programas como o Luz para Todos. Mas Dilma também tem em sua trajetória no governo episódios controversos, como a suposta participação na confecção de um dossiê sobre os gastos de cartões corporativos na gestão Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

Serra pretende usar símbolos do governo, como a expansão do metrô, a construção do Rodoanel e a gestão em áreas sociais, como na saúde e na educação. A oposição, porém, diz que concretamente o ex-governador subiu os gastos com publicidade e diminuiu em outras áreas.

Ex-militantes de esquerda, ambos perseguidos pelo regime militar, Dilma e Serra são até o momento protagonistas desta eleição, segundo os institutos de pesquisa.

    Leia tudo sobre: dilmaeleiçõeseleições 2010serra

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG