Dilma diz não temer grampos

BRASÍLIA - A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse, nesta quarta-feira, não temer eventuais grampos que possam ter sido feitos para espioná-la. Apesar disso, Dilma condenou a prática quando feita de maneira ilegal. Eu, pessoalmente, não tenho problemas com grampos. Mas acho que não é correto, afirmou.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

Questionada sobre conteúdo de reportagem da revista "Veja" , que trouxe informações sobre uma suposta rede de espionagem patrocinada pelo mentor da Operação Satiagraha, delegado Protógenes Queiroz, a ministra disse não ser possível saber se foi alvo desta rede e questionou até mesmo a veracidade das informações.

"Não tem como saber se teve [grampo]", disse. "Vocês sabem se todo aquele relatório [da Polícia Federal] é fidedigno?", questionou.

As informações foram dadas pela ministra após encontro na Confederação Nacional dos Bispos do Brasil, onde veio discutir questões relativas a camada pré-sal.

Leia também:

Leia mais sobre: Dilma Rousseff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG