Dilma deve reduzir o ritmo de trabalho, afirma senadora Ideli

BRASÍLIA - A senadora Ideli Salvatti (PT-SC) informou nesta terça-feira que há a possibilidade de a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, reduzir o ritmo de trabalho após as sessões de quimioterapia. A ministra foi internada na madrugada desta terça-feira, no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para tratamento de dores nas pernas.

Carollina Andrade, repórter em Brasília |

A senadora que tomou posse nesta terça-feira como líder do governo no Congresso, descartou ainda um possível afastamento da ministra do cargo. Não há a possibilidade de afastamento temporário, mas apenas uma preocupação de dada reação da quimioterapia. Nos momentos posteriores a quimioterapia ela deve ter uma agenda mais leve pra que ela não tenha mais problema, destacou Ideli.

Segundo ela informou, o chefe da Presidência, Gilberto Carvalho, fez um relato sobre o estado de Saúde da ministra. "Ela esta medicada e reagiu bem a medicação da noite. Os médicos confirmaram que é uma reação muito usual em processo de quimioterapia, disse Carvalho aos líderes durante a posse da senadora.

A ministra está tratando um linfoma, um câncer no sistema linfático, e até o momento já realizou duas sessões de quimioterapia.

Leia mais sobre: Dilma Rousseff

    Leia tudo sobre: dilma rousseff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG