BRASÍLIA - Como parte da estratégia do governo para combater os efeitos da crise econômica, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, deve anunciar nesta quarta-feira um aumento de cerca de R$ 130 bilhões nos investimentos públicos e privados do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) até o final do governo. O valor representa um aumento de 26% na estimativa feita no lançamento do programa, há dois anos.

Em entrevista, a candidata do presidente Lula para a disputa presidencial de 2010 enfatizará, segundo pessoas próximas dela, que o Estado não é parte do problema da crise, mas a solução. Por isso, a ordem é manter os investimentos e garantir o emprego e a renda.

Em uma série de conversas nos últimos dias, Lula e Dilma têm cobrado dos outros ministros maior empenho para acelerar o gasto do dinheiro previsto para as obras do PAC. Nos dois anos do programa, sobraram R$ 2,5 bilhões no caixa. O valor se refere a dinheiro colocado à disposição dos ministérios que não teve destinação alguma, por isso foi usado para pagar a dívida pública. O jornal "O Estado de S. Paulo" informou, no último domingo, que só em 2008 a sobra chegou a R$ 1,895 bilhão. Além disso, um levantamento feito pela reportagem, com 75 projetos de logística (portos, ferrovias, rodovias e aeroportos), energia (energia elétrica, transmissão e gás natural) e transporte urbano, mostrou que 62% deles estão com o cronograma atrasado.

Participam da entrevista desta quarta-feira os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Paulo Bernardo (Planejamento), além de Dilma. Na primeira entrevista em que aparecerá de visual novo, Dilma deverá enfatizar que nos dois anos do PAC o valor empenhado em obras, isto é, comprometido com o pagamento de obras e serviços, foi de R$ 32,9 bilhões, o que corresponde a 93% do limite autorizado, segundo dados do Sistema de Administração Financeira (Siafi). Porém, desse montante, apenas R$ 15,8 bilhões chegaram aos executores das obras. O restante está atrelado a projetos ainda em execução. Os porcentuais e valores são considerados positivos pelo Planalto, apesar da sobra de dinheiro.

Em janeiro de 2007, o governo anunciou que o investimento total do PAC chegaria a R$ 504 bilhões até 2010. Com o aumento de 26%, esse valor pode chegar a R$ 634 bilhões. O governo, no entanto, fez mudanças na estrutura do programa, excluindo obras que não avançaram e incluindo outras, como a reforma do trecho da BR-101 na Bahia, que não estava dentro do PAC. A construção do trem-bala ligando Campinas ao Rio de Janeiro também não fazia parte da lista inicial de obras do PAC. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: PAC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.