BRASÍLIA - A eventual candidata do governo à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, subiu em todas as listas de intenção de votos na pesquisa CNT/Sensus divulgada hoje. O aumento da exposição ao lado de Lula contribuiu para que ela crescesse 28 pontos, em dois anos, numa possível disputa de segundo turno com o governador tucano José Serra.

" O crescimento de Dilma mostra que sua candidatura passa a ser competitiva " , comentou o diretor do Instituto Sensus de Pesquisa, Ricardo Guedes, que, em novembro do ano passado, ainda mantinha reticências sobre o deslanche da preferida de Lula.

Pela primeira vez, Dilma passa à frente de Serra na citação espontânea sobre candidato ao Palácio do Planalto em outubro, se as eleições fossem hoje. Em função da margem de erro de 3 pontos percentuais da pesquisa, para mais ou para menos, contudo, ela fica tecnicamente empatada com o governador paulista.

Nas respostas espontâneas, Lula ainda lidera com 18,7% dos votos; Dilma tem 9,5% e Serra 9,3%, seguidos de Aécio Neves, governador mineiro, com 2,1%. Numa lista induzida, o tucano continua na frente, indo de 31,8% para 33,2%. Dilma parece capitalizar eleitores de Ciro Gomes, pois, enquanto ela foi de 21,7% para 27,8%, Ciro saiu de 17,5% em novembro de 2009 para 11,9% nesta pesquisa e Marina Silva saiu de 5,9% para 6,8%.

Num cenário só com Serra e Marina, Dilma, o tucano sai de 40,5% para 40,7%; Dilma cresceu de 23,5% para 28,5% e Marina deixou 8,1% para 9,5%.

Se a disputa eleitoral fosse levada ao segundo turno, Dilma teria 37,1%, ante 28,2% em novembro do ano passado e 9,2% em fevereiro de 2008. Naquela época, Serra tinha 57,9%. No entanto, caiu para 44%, também abaixo da posição de 46,8% na pesquisa anterior.

O diretor do Sensus chamou ainda a atenção para os dados referentes à rejeição de cada candidato. Em novembro de 2009, 34,45% diziam que não votariam na ministra; esse percentual que cai para 28,4% no levantamento feito entre 25 e 29 de janeiro de 2010.

O índice de rejeição de Serra avançou para 29,7%, ante 27,7% que tinha anteriormente. Quanto a Ciro Gomes, o indicador passou de 25,3% para 30,3% e de Marina Silva recuou de 38,4% para 36,6%. Segundo Guedes, sua experiência de 23 anos no Sensus mostra que, com até 35% de rejeição, o candidato ainda está no jogo, mas, acima de 40%, ele " não emplaca " , concluiu.

(Azelma Rodrigues | Valor)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.