Dilma admite erro em currículo e diz que vai apurar caso

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, teve dificuldades hoje para explicar os erros no seu currículo oficial e da plataforma Lattes que lhe atribuíam a condição de mestre e doutoranda. Os dados só foram corrigidos após reportagem da revista Piauí mostrar que Dilma abandonou o doutorado e nunca concluiu o mestrado.

Agência Estado |

Após participar de uma solenidade no Rio, a ministra admitiu que não terminou os cursos e prometeu apurar de onde vieram as informações equivocadas. Embora os currículos da Lattes, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), costumem ser atualizados pelos próprios titulares, ela disse não ser autora da versão que lhe creditava doutorado em Ciências Sociais e Mestrado em Ciência Econômica.

"Na Lattes, tem um erro dizendo que eu fiz Ciências Sociais. Eu nunca botei isso em currículo nenhum. Inclusive estamos levantando de onde saiu que fiz Ciências Sociais. Eu fiz Economia. Nunca falei nem apareceu em canto nenhum que fiz Ciências Sociais", afirmou Dilma. "Aquele documento com aquela informação, asseguro que não (preenchi). Não sei que vantagem eu teria de falar que tinha feito Ciências Sociais e não Economia, que é a minha profissão pública e notória", completou. "Se fosse Química, Física Quântica, vá lá."

Dilma disse que cursou todos os créditos do doutorado na Universidade de Campinas (Unicamp), mas não entregou a tese porque assumiu a secretaria de Energia do Rio Grande do Sul. "Aí diz a matéria que eu não estudei. Como eu não estudei? Fiz um baita esforço, morei em Campinas dois anos e meio, minha filha tinha dois anos, fiz um baita esforço. Não concluí porque virei secretária. Não estava gazeteando nada", defendeu-se Dilma.

Ela afirmou que seu currículo foi elaborado em 2000, quando já tinha abandonado a vida acadêmica, mas como na época não havia sido jubilada pela Unicamp, considerou correta a informação de que era doutoranda. Ela disse que ainda vai verificar se teria direito a não ser jubilada por ocupar cargo público e com isso manter a possibilidade de ainda retomar a tese.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG