Tamanho do texto

Dieta adequada ajuda na recuperação do doente com dengue Por Adriana Bifulco São Paulo, 30 (AE) - A cada dia que passa aumenta o número de pessoas contaminadas pelo Aedes aegypti, o mosquito da dengue. A doença provoca febre alta, dores de cabeça, principalmente na região ocular, nas articulações, músculos e muito cansaço.

Também são comuns sintomas como náuseas, falta de apetite e dores abdominais, podendo ocorrer até diarréia e vermelhidão na pele.

Quando esses sintomas aparecem é preciso procurar um médico imediatamente. Em alguns casos, a dengue clássica pode evoluir para o tipo hemorrágico que, se ocorrer, se manifesta de três a cinco dias após a clássica, com reaparecimento da febre. A pele da pessoa fica esbranquiçada e suas extremidades frias. Podem surgir dores de garganta, no estômago e abaixo das costelas, além de queda de pressão e iniciam-se hemorragias, inicialmente em pequena quantidade.

Para que o doente se recupere o mais rápido possível é fundamental, além do acompanhamento médico, uma dieta adequada, que deve ser de fácil digestão e absorção. "O paciente deve fazer uma alimentação à base de frutas e hortaliças variadas e carnes magras são imprescindíveis para aumentar a resistência imunológica e manter o organismo nutrido", explica Andréa Frias, doutora em Nutrição pela USP e coordenadora do Centro de Educação Alimentar Sanavita. "Carnes vermelhas magras e frango sem pele são as mais recomendados. Elas devem ser utilizadas em caldos e sopas, batidos ou desfiados com legumes e hortaliças em geral. O consumo de alimentos ricos em ferro como as carnes, frutas e sucos ricos em vitamina C (acerola, laranja, limão) são importantes para aumentar a absorção de ferro pelo o organismo, caso o doente esteja com anemia", avisa Jocelem Salgado, professora titular de Nutrição da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP) e presidente da Sociedade Brasileira de Alimentos Funcionais.

A hidratação também é de extrema importância para quem está com dengue, segundo Jocelem. "Além do soro hospitalar e caseiro, o paciente deve tomar muita água e fazer repouso. Chás e até os picolés de frutas também ajudam bastante nesse processo", diz.

É importante, de acordo com Jocelem e Andréa, que seja mantida uma rotina alimentar, para que o organismo tenha forças para enfrentar a doença e ficar totalmente recuperado. "Mesmo sem apetite, os pacientes devem ser encorajados a consumir pequenas porções de alimentos a cada três horas. Para os muito debilitados existem complementos alimentares enriquecidos com vitaminas e minerais que podem ajudar na recuperação do estado nutricional. Esses complementos podem ser dissolvidos em leite, caldos e sucos. E geralmente são muito bem aceitos pelas pessoas sem apetite", declara Jocelem.
Na maioria dos casos, segundo o Ministério da Saúde, demora uma semana para o doente ficar bom. O cansaço e a falta de apetite podem desaparecer somente após 15 dias. Mas a recuperação costuma ser total.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.