Diagnóstico que começa pela boca

Diagnóstico que começa pela boca Por Equipe AE São Paulo, 27 (AE) - Muita ou pouca saliva? Ela está ralinha ou espessa? Responder a essas perguntas é uma forma de cuidar da saúde bucal e do corpo todo. Os fluidos orais, embora menosprezados por grande parte dos dentistas, podem sugerir quadros depressivos, diabete, anemia, cirrose, artrite e doenças auto-imunes.

Agência Estado |

Apesar disso, apenas 7% dos profissionais consultados pela Sociedade Brasileira de Periodontologia (Sobrape) avaliam a saliva de seus pacientes.

Esta é a conclusão de um estudo apresentado neste ano durante o 8º European Symposium on Saliva, na Holanda, pela periodontista Denise Falcão, mestre em ciências da saúde e pesquisadora da Universidade de Brasília. "O teste de saliva é simples, leva uns 15 minutos. O problema é que vários dentistas não sabem aplicá-lo. Basta ter um medidor digital de PH, uma pipeta graduada, um timer e um espessímetro. Não é equipamento caro."

Na opinião de Denise, a falta de informação entre os dentistas começa na sala de aula. "Constatamos que 69% dos profissionais consultados nem sequer tiveram aula sobre saliva na faculdade. Mesmo assim, 73% deles disseram considerar a saliva importante para avaliar a saúde do paciente", detalha Denise. Participaram do estudo da Sobrape 58 profissionais, recrutados em várias regiões do País. "É preciso conscientizá-los de que a saliva é a primeira linha de defesa da boca, quando há alterações no fluxo a pessoa fica mais vulnerável à bactérias, infecções oportunistas e câncer bucal", completa.

A dentista explica que o volume de saliva pode fornecer pistas importantes sobre patologias, mas enfatiza a necessidade de exames complementares para um diagnóstico preciso. Este é o caso da síndrome de Sjögren, que tem caráter auto-imune e acomete sobretudo mulheres. "Trata-se de uma destruição das glândulas lacrimais e salivares que podemos detectar pela escassez de saliva e lágrimas. Tenho vários casos nos quais o diagnóstico partiu de uma suspeita levantada pela saliva.

A atuação conjunta entre dentista, reumatologista e oftalmologista é fundamental para um diagnóstico precoce, que nos possibilite melhorar a qualidade de vida das pessoas", explica. Nos casos de alteração salivar, exames de sangue e as análises clínicas são boas alternativas para investigar suspeitas. "Algumas vezes a falta de saliva não indica doença. Se há baixo consumo de alimentos fibrosos e pouca ingestão de água pode ocorrer uma atrofia das glândulas salivares. Na medida em que a população começa a consumir alimentos mais pastosos começam a existir alterações nas glândulas salivares", esclarece.

Consultora de estomatologia da Associação Brasileira de Odontologia (ABO) e doutora em odontologia pela Universidade de São Paulo (USP), Maria Carméli Sampaio garante que o fluxo de saliva pode interferir até mesmo nos processos digestivos. "Uma quantidade adequada de saliva é essencial para que se tenha um bom processo digestivo e uma absorção adequada de nutrientes. Algumas vezes o paciente apresenta prisão de ventre e nem imagina que a origem desse problema pode estar na boca. Até mesmo o estresse exerce impacto sobre a saliva, diminuindo o seu volume", explica.

Maria Carméli diz que a saliva tem sido muito estudada pelos dentistas mas pouco usada como instrumento investigativo. "Um procedimento importante que o dentista poderia fazer por meio da saliva é avaliar o índice de cárie, mas quase ninguém se preocupa com isso. Após concluído o tratamento dentário o ideal é que o paciente aguarde um mês e retorne ao dentista para fazer um teste e saber se está livre daquela bactéria ou se ainda há resquícios na cavidade bucal.

Uma saliva mais grossa pode indicar, por exemplo, reação de leveduras, como é o caso da cândida, conhecida como sapinho. Não é à toa que na tradicional medicina chinesa o diagnóstico é dado após análise da língua e da saliva."

DIAGNÓSTICOS BUCAIS ESTÃO EM ALTA

AIDS
Em fevereiro deste ano a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o teste que detecta o vírus HIB por meio da saliva em 20 minutos. O procedimento é 99% confiável.

CÂNCER DE MAMA
Pesquisadores do Centro de Ciências da Saúde da Universidade do Texas (EUA) acreditam que o tumor provoque uma mudança na quantidade e nas características das proteínas encontradas nas glândulas salivares. O novo exame, já testado pelos especialistas, poderia oferecer um diagnóstico precoce.

DIABETE
Níveis altos de glicose na saliva podem sugerir um quadro de diabete. Além disso, o excesso de açúcar costuma diminuir a quantidade de saliva, tornando a cavidade bucal um meio mais ácido e mais suscetível à proliferação de bactérias, como aquelas responsáveis pela cárie.

HALITOSE
Conhecido como mau hálito, o problema tem relação direta com a consistência da saliva. Um teste caseiro pode indicar seu aspecto: após colocar um pouco do fluído sobre a mão, o paciente deve pressionar com o dedo indicador da outra mão a saliva e depois afastá-lo aos poucos. Se o fio formado por ela for maior que 4 cm, a saliva é considerada viscosa clinicamente. Para um resultado mais preciso recomenda-se exames com equipamentos específicos usados pelos dentistas. A viscosidade alta está relacionada ao consumo excessivo de proteínas e ao tabagismo. Para ser considerada ideal, a quantidade de saliva deve estar entre 1,5 ml e 2,5 ml por minuto.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG