Mortes foram registradas em dois motins no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís. Três agentes são reféns

Dezoito pessoas morreram em dois motins no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em São Luís, no Maranhão. O pior deles, no Anexo III do Presídio São Luís, registrou quinze mortes. Dos cinco agentes penitenciários feitos reféns, dois foram libertados por volta das 12 horas desta terça-feira. Na Central de Custória de Presos, outros dois detentos foram mortos pela manhã.

A rebelião no Anexo III do Presídio São Luís durou mais de 28 horas. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado (SSP), uma briga entre facções, dentro do presídio, teria motivado o início do motim, quando os presos dominaram um agente penitenciário que fazia a vistoria.

Ainda segundo a SSP, dois negociadores atuam nas conversas com os rebelados. Os agentes penitenciários Ivo Vagner de Mesquita Melo e Manoel Costa de Jesus Filho foram libertados. Outros três continuam em poder dos presos - Carlos de Araujo, Daniel Pereira Rodrigues e José da Conceição.

A SSP informou ainda que as principais exigências dos presos são a substituição do diretor da penitenciária, Luis Henrique Pena de Freitas, pedido que está em análise; a manutenção no sistema de abastecimento de água; e a aceleração no processo de análise das ações judiciais dos detentos. Eles também alegam que existem muitos presos em situação irregular.

O governo do estado informou que acompanha as negociações entre os rebelados e representantes da Secretaria de Segurança, da Secretaria dos Direitos Humanos, do Judiciário e do Ministério Público. A governadora Roseana Sarney conversou, durante a tarde de segunda-feira, com o ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, para pedir apoio na condução das negociações com os presos rebelados.

Todas as vítimas cumpriam pena por estupro e ao menos três delas foram decapitadas. Os corpos foram entregues à Polícia em troca de alimentos. De acordo com a SSP, três corpos foram liberados pelo Instituto Médico Legal (IML).

Rebelião na Central de Custódia de Presos

A rebelião na Central de Custódia teve início por volta das 9 horas desta terça-feira. Três presos foram mortos. Segundo a Secretaria de Segurança, o cancelamento do banho de sol por conta do motim no presídio São Luís teria motivado o rebelião. Os homens da Tropa de Choque entraram na penitenciária e conseguiram controlar os presos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.