Destaque em evento do PSDB, FHC diz que governo Lula abusa do marketing

Ele não foi escondido. Entrou no palco ao lado de José Serra, foi defendido por todos os palestrantes, aplaudido pela militância. Mas o próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso falou, durante lançamento da candidatura de Serra, que a campanha dos tucanos deve focar no futuro, não no passado. O evento foi realizado neste sábado em Brasília.

Adriano Ceolin e Marcelo Diego |

  • Leia a íntegra do discurso de Serra
  • Nós contra eles não cabe numa nação, afirma Serra
  • Aécio diz que estará ao lado de Serra "onde for convocado"
  • Serra não é improviso, é parte integrante da história, diz Guerra
  • AE
    FHC é destaque em evento para lançar Serra candidato

    FHC é destaque em evento para lançar Serra candidato

    FHC presidiu o País de 1995 a 2002 e foi sucedido por Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Desde o início, o governo petista atribuiu a administração tucana o legado de ter deixado uma herança maldita. Lideranças petistas explicitam o desejo de usar a eleição de outubro como um plebiscito entre as duas gestões, representadas nas figuras dos candidatos José Serra e Dilma Rousseff.

    Minha presença é para dizer coisas simples, mas fundamentais. Vamos escolher que Brasil nós queremos. Vamos querer um País que ao olhar para o passado, o difama, que no presente transforma tudo em marketing ou vamos querer construir o futuro?, questionou Fernando Henrique.

    Só se pode entregar o país como um Brasil a quem tem condição de liderar. Serra construiu essa condição de líder provado, querido, eleito, democrático.

    "Ótica do marqueteiro"

    FHC não fez comparações entre o seu governo e o de Lula. Mas questionou os avanços propagandeados pelo petista. Veja, falou-se tanto em obras do Brasil. Quase todas foram faladas sob a ótica do marqueteiro. Eu procurei ver a transposição do rio São Francisco, o biodiesel, mas não vi. Qual foi a usina nova que se criou? Cadê um milhão de casas? Serra mudou São Paulo. É só ir lá para ver. Expandiu o Metrô, fez o Rodoanel. Mas fez também o que não se vê, como o saneamento básico, e não descuidou do que é essencial, como educação e saúde. A gente não cospe no próprio prato. Muito foi plantado por meu governo e por governos anteriores, afirmou o ex-presidente.

    A gestão tucana também foi defendida com ênfase pelo ex-governador Aécio Neves. Modernizamos a economia, sob o comando do FHC. Privatizamos sim setores que precisavam ser privatizados. E eles negaram espaço a eficiência, afirmou.

    AE
    Aécio durante lançamento da candidatura de Serra

    Aécio durante lançamento da candidatura de Serra

    "Amigo querido"

    Serra qualificou o ex-presidente de amigo querido e agradeceu o fato de ter tido liberdade de gestão quando ministro da Saúde (1998-2002).

    Elencou ainda atributos dos últimos 25 anos, numa tentativa de desmontar o discurso de que a situação do Brasil se deve apenas a gestão petista. Com o Plano Real, transformamos nossa economia a favor do povo. Melhoramos a renda e a possibilidade de vida dos mais pobres. Foi inaugurada uma nova era. Conquistamos a responsabilidade fiscal, tornamos agricultura mais forte, uma indústria eficiente sólida, fizemos o SUS (Sistema Único de Saúde), ampliamos consumo e o crédito. Tudo isso em 25 anos. Não foram conquistas de um só homem ou de um governo ou de um só partido. Todos resultados de 25 anos de estabilidade demoircrática, luta e trabalho. Contribuímos para que essa história de progresso, de avanços chegasse aonde chegou.

    Serra disse ainda que o partido não tem problemas ou mal-entendidos com o passado. As realizações tucanas foram ainda defendidas pelo presidente da legenda, Sergio Guerra, que qualificou FHC como grande mentor do partido.

    Leia também:

    Leia mais sobre: Serra

    • Leia tudo sobre: fhc

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG