Ele não foi escondido. Entrou no palco ao lado de José Serra, foi defendido por todos os palestrantes, aplaudido pela militância. Mas o próprio ex-presidente Fernando Henrique Cardoso falou, durante lançamento da candidatura de Serra, que a campanha dos tucanos deve focar no futuro, não no passado. O evento foi realizado neste sábado em Brasília.

  • Leia a íntegra do discurso de Serra
  • Nós contra eles não cabe numa nação, afirma Serra
  • Aécio diz que estará ao lado de Serra "onde for convocado"
  • Serra não é improviso, é parte integrante da história, diz Guerra
  • AE
    FHC é destaque em evento para lançar Serra candidato

    FHC é destaque em evento para lançar Serra candidato

    FHC presidiu o País de 1995 a 2002 e foi sucedido por Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Desde o início, o governo petista atribuiu a administração tucana o legado de ter deixado uma herança maldita. Lideranças petistas explicitam o desejo de usar a eleição de outubro como um plebiscito entre as duas gestões, representadas nas figuras dos candidatos José Serra e Dilma Rousseff.

    Minha presença é para dizer coisas simples, mas fundamentais. Vamos escolher que Brasil nós queremos. Vamos querer um País que ao olhar para o passado, o difama, que no presente transforma tudo em marketing ou vamos querer construir o futuro?, questionou Fernando Henrique.

    Só se pode entregar o país como um Brasil a quem tem condição de liderar. Serra construiu essa condição de líder provado, querido, eleito, democrático.

    "Ótica do marqueteiro"

    FHC não fez comparações entre o seu governo e o de Lula. Mas questionou os avanços propagandeados pelo petista. Veja, falou-se tanto em obras do Brasil. Quase todas foram faladas sob a ótica do marqueteiro. Eu procurei ver a transposição do rio São Francisco, o biodiesel, mas não vi. Qual foi a usina nova que se criou? Cadê um milhão de casas? Serra mudou São Paulo. É só ir lá para ver. Expandiu o Metrô, fez o Rodoanel. Mas fez também o que não se vê, como o saneamento básico, e não descuidou do que é essencial, como educação e saúde. A gente não cospe no próprio prato. Muito foi plantado por meu governo e por governos anteriores, afirmou o ex-presidente.

    A gestão tucana também foi defendida com ênfase pelo ex-governador Aécio Neves. Modernizamos a economia, sob o comando do FHC. Privatizamos sim setores que precisavam ser privatizados. E eles negaram espaço a eficiência, afirmou.

    AE
    Aécio durante lançamento da candidatura de Serra

    Aécio durante lançamento da candidatura de Serra

    "Amigo querido"

    Serra qualificou o ex-presidente de amigo querido e agradeceu o fato de ter tido liberdade de gestão quando ministro da Saúde (1998-2002).

    Elencou ainda atributos dos últimos 25 anos, numa tentativa de desmontar o discurso de que a situação do Brasil se deve apenas a gestão petista. Com o Plano Real, transformamos nossa economia a favor do povo. Melhoramos a renda e a possibilidade de vida dos mais pobres. Foi inaugurada uma nova era. Conquistamos a responsabilidade fiscal, tornamos agricultura mais forte, uma indústria eficiente sólida, fizemos o SUS (Sistema Único de Saúde), ampliamos consumo e o crédito. Tudo isso em 25 anos. Não foram conquistas de um só homem ou de um governo ou de um só partido. Todos resultados de 25 anos de estabilidade demoircrática, luta e trabalho. Contribuímos para que essa história de progresso, de avanços chegasse aonde chegou.

    Serra disse ainda que o partido não tem problemas ou mal-entendidos com o passado. As realizações tucanas foram ainda defendidas pelo presidente da legenda, Sergio Guerra, que qualificou FHC como grande mentor do partido.

    Leia também:

    Leia mais sobre: Serra

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.