Desmatamento na Amazônia em setembro é 22% menor do que em agosto, mostra Inpe

BRASÍLIA - O desmatamento na Amazônia em setembro caiu 22% em relação a agosto, de acordo com os números do Sistema de Detecção em Tempo Real (Deter) divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Redação com Agência Brasil |

Acordo Ortográfico

Em setembro, os alertas registraram 587 quilômetros quadrados de novas áreas desmatadas, contra os 756 quilômetros quadrados identificados no mês anterior.

Em comparação com o mesmo período de 2007, quando o Inpe registrou 603 quilômetros quadrados de novos desmates, a queda foi de 2,7%. Se comparado à média dos últimos 12 meses, 722 quilômetros quadrados, o índice caiu 18%.

No entanto, de acordo com o Inpe, a cobertura de nuvens sobre a região pode ter encoberto a visualização de mais desmatamentos. Por causa das nuvens, em setembro, os satélites deixaram de verificar 33% da Amazônia Legal. No mês de setembro, enquanto Mato Grosso e Rondônia puderam ser livremente observados, 63% do território do Pará, por exemplo, esteve coberto pelas nuvens.

Estados como o Amapá, Pará e parte do Amazonas, por exemplo, não puderam ser monitorados adequadamente, pois apresentaram um alto índice de cobertura de nuvens no período, indica o Inpe.

Mato Grosso, Pará e Maranhão lideraram a lista dos Estados que mais

Antonio Cruz/ABr

Desmatamento na aldeia Cururu, no Maranhão

desmataram. Depois de três meses consecutivos na dianteira da lista, o Pará desmatou menos que Mato Grosso. O estado, governado por Blairo Maggi, foi responsável por 216 quilômetros quadrados de desmatamento. O Pará aparece em seguida, com 127 quilômetros quadrados e, em terceiro, Maranhão, com 97 quilômetros quadrados.

O cálculo do Deter considera as áreas que sofreram corte raso (desmate completo) ou degradação progressiva (floresta em processo de desmatamento).

A taxa anual de desmatamento, definida pelo Programa de Cálculo do Desflorestamento da Amazônia (Prodes) deve ser divulgada até o fim do semestre. O número é calculado com base no acumulado de novos desmatamentos entre agosto de 2007 e julho de 2008. Pelos dados do Deter, o desmate no período chegou a 8,1 mil quilômetros quadrados, aumento de 64% em relação ao ano anterior.

Deter

O Deter foi concebido pelo Inpe como um sistema de alerta para suporte à fiscalização e controle de desmatamento. São mapeadas tanto áreas de corte raso quanto áreas em processo de desmatamento por degradação florestal.

É possível detectar apenas polígonos de desmatamento com área maior que 25 hectares por conta da resolução dos sensores espaciais. Devido à cobertura de nuvens, nem todos os desmatamentos maiores que 25 hectares são identificados pelo sistema.

Leia mais sobre: desmatamento

    Leia tudo sobre: amazoniadesmatamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG