Desenvolvimento sustentável é estratégico, diz Marina

Em discurso na cerimônia da sua filiação ao PV, a senadora Marina Silva (AC) evitou hoje fazer críticas ao PT, partido do qual saiu no dia 19, depois de 30 anos de militância. Marina disse enxergar no PV espaço para mostrar que o desenvolvimento sustentável é estratégico para o Brasil e para o planeta.

Agência Estado |

"Está germinando uma nova forma de produzirmos a base material da nossa existência", afirmou.

Marina disse que começou a pensar na proposta de filiação ao PV quando lhe ofereceram uma oportunidade de mudança programática do partido. "Comecei a me expor sobre a possibilidade de saída (do PT)", lembrou. "Muitas pessoas me perguntavam: 'Por que não permanece no PT para o embate interno?' Aí eu vi que meu trabalho não era de convencimento, mas de atuar ao lado de quem está convencido daquilo que o mundo inteiro também já está convencido", afirmou, referindo-se ao tema da sustentabilidade.

A senadora citou a crise financeira internacional para destacar a importância do debate sobre a sustentabilidade. "Existem hoje duas crises, uma é a econômica e outra é uma crise ambiental sem precedentes", afirmou. "A segunda é mais grave. Se não resolvermos a crise ambiental, qualquer saída para a crise econômica será uma falsa saída. Chegamos à era dos limites."

Marina, pelo menos na cerimônia realizada pelo PV numa casa de eventos no bairro de Pinheiros, zona oeste da capital, demonstrou não ter mágoas do PT. "Tenho 30 anos de militância dentro do Partido dos Trabalhadores", afirmou. "Com outras pessoas, sonhamos, aprendemos. Sofremos alguns constrangimentos por erros de poucos. Não venho mais com a ilusão do partido perfeito." Ela comparou sua saída do PT ao convívio familiar, quando um filho deixa a casa dos pais mas não deixa de fazer parte da família. "Estou saindo para fazer uma outra casa, para morar talvez na mesma rua, no mesmo bairro, na mesma vizinhança", afirmou.

Ao analisar sua mudança do PT para o PV, Marina se emocionou. Disse que tinha preparado um discurso, mas percebera que era "um momento de falar com o coração". Para "homenagear" seu passado, citou uma frase de um conto de Guimarães Rosa. "Será que você seria capaz de se esquecer de mim, e, assim mesmo, depois e depois, sem saber, sem querer, continuar gostando? Como é que a gente sabe?" Para homenagear seu futuro no PV, preferiu Santo Agostinho: "Tarde vos amei, ó beleza tão antiga e tão nova, Tarde vos amei ! Eis que habitáveis dentro de mim, e eu lá fora procurando-vos!"

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG