A desembargadora Suzana Camargo, vice-presidente do Tribunal Regional Federal de São Paulo, pode ser ouvida pela CPI das Escutas Telefônicas Ilegais. O requerimento convocando a juíza foi apresentado nesta quarta-feira (13) pelo deputado Raul Jungmann (PPS-PE)." / A desembargadora Suzana Camargo, vice-presidente do Tribunal Regional Federal de São Paulo, pode ser ouvida pela CPI das Escutas Telefônicas Ilegais. O requerimento convocando a juíza foi apresentado nesta quarta-feira (13) pelo deputado Raul Jungmann (PPS-PE)." /

Desembargadora citada por juiz pode ser próxima convocada de CPI

Times New Roman size=3A desembargadora Suzana Camargo, vice-presidente do Tribunal Regional Federal de São Paulo, pode ser ouvida pela CPI das Escutas Telefônicas Ilegais. O requerimento convocando a juíza foi apresentado nesta quarta-feira (13) pelo deputado Raul Jungmann (PPS-PE).

Regina Bandeira - Último Segundo/Santafé Idéias |

Suzana foi citada durante o depoimento do juiz federal Fausto De Sanctis à CPI dos Grampos, que disse ter recebido um telefonema dela para saber o motivo de novo mandado de prisão preventiva (expedido pelo juiz). Na conversa, a desembargadora teria revelado que Mendes estaria irado com a atuação de De Sanctis.

Segundo Fausto De Sanctis, Suzana contou que o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, considerou o segundo pedido de prisão expedido contra o empresário Daniel Dantas um ato pessoal contra ele.

Segundo pessoas próximas à Suzana, a desembargadora está tensa com a possibilidade da convocação. Ela é próxima de Gilmar Mendes e também do juiz De Sanctis.

Os deputados também querem saber como e por quem a desembargadora teria chegado à conclusão de que o gabinete do presidente do STF estava sendo grampeado, informação diversas vezes negada pelo juiz De Sanctis durante seu depoimento.

Dantas, que depôs nesta quarta-feira à CPI, foi preso na Operação Satiagraha da Polícia Federal acusado por De Sanctis pela prática de crimes financeiros e de ser o mandante de crime de corrupção de delegado da Polícia Federal (PF). Em três dias, o presidente do STF concedeu dois habeas corpus a Dantas.

Acareação

Nesta quinta-feira, a CPI pode analisar um outro requerimento de Jungmann: ele apresentará um pedido de acareação entre o banqueiro Daniel Dantas e o delegado da Polícia Federal afastado da Operação Satiagraha Protógenes Queiroz.

Segundo o parlamentar, é preciso confrontar as informações fornecidas por todos os depoentes ligados a Operação Satiagraha.

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG