A Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) no Estado de São Paulo multou a Desenvolvimento Rodoviário S.A.

(Dersa) em R$ 282,5 mil por recolher animais da fauna silvestre durante as obras do Trecho Sul do Rodoanel sem autorização. Ontem, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que 105 animais que habitavam áreas da obra, em região de mata atlântica, morreram depois de passar pelo manejo de técnicos da empresa ligada ao governo estadual e responsável pelo empreendimento.

Parte dos animais mortos era de espécies com risco de extinção, como veado-catingueiro, preguiça-de-três-dedos e bugio, entre outros. O Ibama solicita esclarecimentos da empresa quanto ao destino dos animais. A Dersa tem 20 dias para apresentar defesa na autuação ou pagar a multa. Segundo o Ibama, a Dersa chegou a informar que foram coletados 457 animais silvestres nativos, sendo que pelo menos 12 são de espécies ameaçadas de extinção. Entre os animais estavam primatas e aves.

A Dersa informou que 371 bichos foram devolvidos para a mata sem apresentar problemas, enquanto 137 acabaram enviados para recuperação em clínicas veterinárias e parques conveniados. Desse total, 105 - 76,6% - morreram porque tiveram ferimentos graves ou sofreram estresse profundo. Os bichos foram levados para parques em Santo André, em São Bernardo do Campo e em São Paulo. As clínicas estão em Cotia e Embu. A Dersa informou que recorrerá da multa e que o programa de resgate de animais apresentado foi aprovado pelo próprio Ibama.

O Ministério Público Estadual (MPE) vai investigar a morte dos 105 animais silvestres. O promotor de Justiça e Meio Ambiente da capital Marcos Lúcio Barreto disse que “a situação demanda apurar eventual omissão ou falta de cuidados” dos responsáveis pelo manejo dos bichos. “Essa denúncia será objeto de procedimento investigativo para apuração de responsabilidades”, afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.