Deputados pedem investigação sobre uso de cotas de passagens aéreas

BRASÍLIA - Cinco deputados pediram investigação nas suas cotas de passagens aéreas. Isso porque haveria registro de pessoas desconhecidas como beneficiários dos bilhetes. A Casa trabalha com a suspeita de que haveria um esquema de venda de parte da cota de passagens para agências de viagens.

Agência Brasil |

Segundo matéria publicada na imprensa , funcionários de gabinetes teriam esquema com agências de viagens. As passagens seriam repassadas às agências, que depois seriam vendidas a consumidores comuns. O deputado, no entanto, ficaria com crédito na própria agência. A prática contraria o Regimento Interno da Casa.

Desconfiados de que teriam sido envolvidos nesse esquema, os deputados Nazareno Fonteles (PT-PI), Otávio Leite (PSDB-RJ), Vieira da Cunha (PDT-RS), Nelson Marquezelli (PTB-SP) e João Carlos Bacelar (PR-BA) pediram que a Casa investigue o caso.

Essa investigação será incluída ma sindicância aberta pela Câmara para apurar irregularidades com o uso de créditos de passagens aéreas pelas agências de viagens.

A sindicância foi instalada depois que o nome do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, apareceu na lista de cota de passagens de um deputado. O ministro, no entanto, comprovou que comprou a passagem numa agência de viagens e o pagamento foi dividido em cinco vezes no próprio cartão de crédito.

A Câmara ainda precisa votar o projeto de resolução que estabelece as novas regras para o uso de passagens. No início da próxima semana, deverá fazer uma reunião de líderes para definir o texto da proposta. A idéia é permitir que apenas os deputados e assessores no exercício da função possam viajar. O texto poderá ser emendado em plenário, já que muitos deputados reclamam que, com as novas regras, não poderão levar suas esposas nas viagens.

Leia também:

Leia mais sobre: Câmara

    Leia tudo sobre: câmarapassagem

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG