Deputado quer convocar assessor de Lula para depor em CPI dos Grampos

BRASÍLIA - A partir da afirmação do delegado da Polícia Federal Protógenes Quieroz de que o chefe de gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, é investigado no âmbito da Operação Satiagraha, o deputado Vanderlei Macris (PSDB-SP) disse que vai apresentar requerimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Escutas Telefônicas, da Câmara dos Deputados, para convocá-lo. ¿Se há investigação, há algum tipo de indício. Queremos trazê-lo para que ele [Carvalho] fale na comissão¿, afirmou.

Regina Bandeira - Último Segundo/Santafé Idéias |

Além de Carvalho, já há requerimentos convocando o ex-deputado Luiz Eduardo Greenhalgh. O ex-parlamentar teria pedido informações a Carvalho sobre andamento das investigações. 

Após terceira paralisação para que os deputados pudessem votar em plenário, o depoimento do delegado Protógenes Queiroz, que comandou a operação, foi retomado.

Atrito com a PF

O delegado Protógenes negou nesta quarta, em depoimento na CPI, ter havido pressão para que ele deixasse o comando da Operação Satiagraha. Entretanto, ele ponderou que, em toda operação, envolvendo pessoas importantes, há sempre obstáculos a serem transpostos.

Se esses obstáculos atrapalharam ou não a investigação, cabe ao Ministério Público esclarecer à sociedade, disse. Segundo o delegado, esta investigação também está sob sigilo.

Toda reestruturação atingem determinados setores. Dentro desta reestruturação, houve, por parte de um grupo [da PF], uma dificuldade comigo. Meu jeito, minha forma de trabalhar foi considerada leviana, ponderou.

Queiroz evitou dar detalhes sobre a passagem da coordenação da operação à outra equipe alegando investigações cobertas por sigilo, mas repetiu o argumento de que o curso que faz na Academia Nacional de Polícia já estava programado, não sendo uma desculpa para seu afastamento.

Dantas é investigado por escutas ilegais

Sob alegação de limitação legal, Protógenes evitou confirmar se o grupo do banqueiro Daniel Dantas chegou a quebrar sigilos telefônicos na disputa da Brasil Telecom - empresa a qual o iG pertence.

Porém, segundo o delegado, existem investigações na 5ª e 6ª Vara Criminal de São Paulo sobre o assunto. Existe a suspeita de que Dantas teria contratado a empresa Kroll para espionar concorrentes.

O delegado também afirmou não poder responder quando as interceptações telefônicas feitas pela PF a Daniel Dantas começaram. No entanto, declarou que o trabalho de investigação começou em 2004. Os deputados devem questionar sobre qual foi o tempo total de escutas. Quase quatro anos é tempo demais, disse o deputado Walderlei Macris (PSDB-SP). 

Leia também:

Leia mais sobre: Protógenes

    Leia tudo sobre: operação satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG