Deputado investigado pela PF é alvo de 25 ações do MP

Em cerca de seis meses, o Ministério Público Federal ajuizou 25 ações de improbidade administrativa contra o deputado João Magalhães (PMDB-MG), cujo gabinete foi alvo ontem de diligência da Polícia Federal na Operação João de Barro.

Agência Estado |

Segundo o órgão, Magalhães é acusado de liderar um esquema para fraudar licitações em municípios da região leste de Minas e Vale do Jequitinhonha.

As ações propostas relatam irregularidades em 17 municípios e referem-se somente a convênios firmados entre 1998 e 2000. Até o momento, a Procuradoria da República em Minas apurou um rombo aos cofres públicos de R$ 4 milhões. A maior parte dos recursos destinava-se a obras de saneamento.

Os convênios investigados, de acordo com o Ministério Público, foram firmados com os ministérios da Saúde, da Integração Nacional e do Planejamento e Orçamento por meio de emendas negociadas pelo deputado no Congresso. A procuradoria acusa Magalhães e o então deputado estadual Márcio de Almeida Passos, também réu nas ações propostas, de serem os mentores e administradores do esquema.

A PF deflagrou ontem a Operação João de Barro com o objetivo de desmontar um esquema de desvio de verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A ação envolveu mil agentes, para cumprir 38 mandados de prisão e 230 mandados de busca em sete Estados e no Distrito Federal.

Leia mais sobre Operação João de Barro

    Leia tudo sobre: operação joão de barro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG