Deputado do castelo chora e acusa ACM Neto de perseguição

BRASÍLIA - O deputado Edmar Moreira (sem partido-MG) fez sua defesa no Conselho de Ética da Câmara nesta quarta-feira. Emocionado, ele se disse vítima de acusações irresponsáveis e debitou na conta do corregedor da Câmara, ACM Neto (DEM-BA), uma suposta perseguição a qual diz ter sido vítima.

Severino Motta, repórter em Brasília |

A Comissão de Sindicância que teve como presidente [ACM Neto] um homem diretamente interessado em ceifar o meu mandato. Que isenção é essa? Que legitimidade possui esse indivíduo para averiguar qualquer ato contra minha pessoa?, indagou.

Agência Câmara
Edmar Moreira apresenta sua Defesa no Conselho de Ética da Câmara dos Deputados


Edmar foi além e disse que seus detratores foram colocados a mercê de seus pais, seus avós, e não podem competir comigo nem com a maioria dos senhores e da senhora, não têm esse mérito. Aqueles que me acusam fazem da vida como se fosse capitania hereditária, disse o deputado numa referência à estrutura de poder familiar de ACM na Bahia.

Durante o depoimento Edmar ainda se emocionou ao falar que é filho de um carteiro e que, diferentemente de seus detratores, não teve tudo de mão beijada e batalhou como empresário para conseguir formar seu patrimônio.

Em relação ao castelo, avaliado em R$ 25 milhões, o parlamentar alegou que o imóvel teve sua construção encerrada antes de seu primeiro mandato e repassada para o nome de seus filhos em 1993. Por isso ele não aprece no meu imposto de renda.

Edmar ainda negou que a acusação de ter pago, por serviços não prestados, sua própria empresa de segurança, usando dinheiro público de sua verba indenizatória. Após uma breve defesa, o deputado passou a palavra para seu advogado, que lê, neste momento, o resto da peça de defesa.


Leia também:

Leia mais sobre: Edmar Moreira

    Leia tudo sobre: edmar moreira

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG