O deputado estadual Álvaro Lins (PMDB), que tinha depoimento marcado para a tarde de hoje no Conselho de Ética da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro, entrou com um requerimento pedindo o adiamento da sessão. Acompanhado de seu defensor público, ele alegou que o conselho não poderia estar se reunindo durante o recesso parlamentar.

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Paulo Mello, que analisou o pedido, remarcou os depoimentos do deputado e suas testemunhas para quarta-feira.

Contudo, Mello afirmou que, de acordo com o regulamento interno, o Conselho de Ética pode sim se reunir durante o recesso. Álvaro Lins enfrenta processo de cassação. Ex-chefe de Polícia Civil, Lins é acusado de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha armada. O deputado chegou a ser preso pela Polícia Federal em junho, durante a Operação Segurança S.A., mas nega as acusações.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.