Departamento de Estado dos EUA se nega a comentar caso Polanski

O Departamento de Estado norte-americano negou-se nesta segunda-feira a comentar o caso de Roman Polanski, ressaltando que seu papel na eventual extradição do cineasta franco-polonês para os Estados Unidos será simplesmente técnico.

AFP |

"O estado da Califórnia tem dois meses para realizar um pedido formal de extradição, o papel do Departamento de Estado será simplesmente verificar se este pedido é compatível com nosso tratado de extradição com a Suíça", afirmou Philip Crowley, um porta-voz da diplomacia norte-americana.

Crowley também se negou a confirmar se Bernard Kouchner e Radoslaw Sikorski, os ministros francês e polonês das Relações Exteriores, haviam enviado uma carta para sua colega norte-americana Hillary Clinton para pedir a libertação de Roman Polanski.

"Se há uma carta, corresponde ao ministro (Kouchner) revelar seu conteúdo", respondeu.

Roman Polanski, Oscar de Melhor Diretor (2003) e Palma de Ouro em Cannes (2002) pelo filme "O pianista", foi detido no sábado ao chegar a Zurique, onde deveria receber um prêmio por sua trajetória.

Polanski é acusado de ter mantido "relações sexuais ilegais" com uma adolescente de 13 anos em 1977.

O cineasta fugiu dos Estados Unidos em 1978 antes do anúncio da sentença no julgamento em que havia admitido a sua culpa. A vítima, Samantha Geimer, pediu que o caso fosse abandonado.

cs/dm

    Leia tudo sobre: cinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG