O advogado do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT), José Luís Oliveira Lima, desqualificou nesta quarta-feira a denúncia do caso que ficou conhecido como mensalão, em que seu cliente aparece como um dos responsáveis por um esquema de pagamento de propina a parlamentares.

De acordo com a denúncia, os repasses serviriam para influenciar votações no Congresso a favor do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"A denúncia nada mais é do que uma peça de ficção feita pelo procurador-geral da República (Antonio Fernando de Souza)", afirmou Oliveira Lima, ao chegar ao Fórum Criminal Federal, na capital paulista, onde começam a ser ouvidas as testemunhas de defesa do mensalão.

O defensor de Dirceu, Oliveira Lima, disse ter "total tranquilidade" a respeito do andamento do processo. Ele espera que Márcio Thomaz Bastos, que foi colega de Dirceu no governo federal na época do escândalo, fale sobre a atuação correta do ex-ministro da Casa Civil. De Aldo Rebelo, o advogado espera que o deputado, que tinha forte atuação junto ao Congresso durante o mensalão, reafirme que não sabia nada a respeito do esquema.

Além do ex-ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e do deputado federal pelo PCdoB Aldo Rebelo, foram convocados para falar a favor de José Dirceu na audiência desta quarta-feira o ex-presidente do Banco Popular do Brasil (BPB) Ivan Guimarães e o assessor de Dirceu, Roberto Marques. No total, a defesa de Dirceu arrolou 40 testemunhas. As oitivas agendadas para 14 horas, começaram por volta das 14h50.

Rebelo também falará nesta quarta-feira para a Justiça como testemunha de defesa do ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB), responsável por denunciar a existência do esquema. Ao chegar ao Fórum, o advogado de Jefferson, Luiz Francisco Barbosa, não quis comentar sobre suas expectativas a respeito do depoimento de Rebelo. Mas afirmou não haver provas de dinheiro público para o pagamento das propinas: "O processo vai terminar em execução bancária porque envolve bancos, mas não prova o uso de dinheiro público."

Das oito testemunha esperadas hoje no Fórum Criminal, seis compareceram. São elas: o marqueteiro Nelson Biondi, testemunha de Henrique Pizzolato, Ricardo Baldassarini, testemunha de João Cláudio de Carvalho, Ivan Guimarães, Márcio Thomaz Bastos, Roberto Marques e Aldo Rebelo. Este último depõe a favor também do ex-deputado federal Luiz Carlos da Silva, o Professor Luizinho (PT), e do deputado federal José Janene (PP-PR). A audiência com o secretário extraordinário de Reformas Econômico-Fiscais, Bernard Appy, foi adiada para o dia 1º de junho. Carlos Alberto Libânio, o Frei Betto, não foi localizado para receber a intimação da Justiça.

Leia mais sobre: mensalão

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.