A notória demora do Poder Judiciário para julgar processos, e a falta do ministro Eros Grau na sessão de hoje do Supremo Tribunal Federal (STF) beneficiaram os deputados federais paranaenses Alceni Guerra (DEM) e Fernando Lúcio Giacobo (PR), acusados de fraude em licitação no município de Pato Branco (PR). Os ministros do STF passaram a tarde discutindo se os dois deputados deveriam ou não ser condenados.

O julgamento terminou empatado em 5 a 5. O voto de desempate deveria ter sido dado por Eros Grau, que não participou da sessão plenária de hoje. O STF não divulgou os motivos da ausência. O problema é que o caso, que chegou em 2007 ao STF, prescreve hoje. Ou seja, uma eventual punição aos parlamentares não poderá ser executada.

A relatora da ação penal, Ellen Gracie, defendeu a condenação dos deputados. Para ela, Alceni e Giacobo deveriam ser condenados à pena de dois anos de detenção e dez dias multa, no valor diário de dez salários mínimos. Mas, de acordo com a ministra, a pena deveria ser transformada em prestação de serviços comunitários e pagamento de cem salários mínimos.

Se o voto de Ellen Gracie tivesse sido seguido pela maioria dos ministros do STF, essa seria a primeira condenação de político imposta pelo Supremo na história recente. Mas o placar terminou em cinco a favor da condenação e cinco contra.

Acusações

De acordo com informações divulgadas pelo STF, na época em que foi prefeito de Pato Branco, Alceni Guerra, encaminhou à Câmara Municipal da cidade um projeto de lei com o objetivo de sanar uma grande dívida do município com o INSS por meio de um contrato de concessão para exploração, pela iniciativa privada, da rodoviária da cidade.

O Legislativo municipal estabeleceu um valor mínimo para a concessão, de R$ 1,34 milhão, e admitiu que parte desse valor fosse pago pela empresa vencedora da licitação em títulos da dívida pública agrária até o valor de R$ 1,13 milhão. Mas ao fazer a licitação, a prefeitura teria recebido a proposta de apenas uma única empresa constituída apenas dois meses antes da licitação e de propriedade de Fernando Giacobo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.