DEM decide abrir processo que pode levar à expulsão de Arruda

BRASÍLIA - O Democratas decidiu nesta terça-feira abrir processo interno de expulsão que vai definir o destino político do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, envolvido em escândalo de corrupção. Pela determinação da executiva nacional, o procedimento levará dez dias. Arruda terá oito dias para sua defesa e um relator do partido produzirá um texto em dois dias. O relator será o deputado José Carlos Machado (SE).

iG São Paulo |

A tese da expulsão sumária de Arruda foi defendida pelos líderes do partido no Congresso, deputado Ronaldo Caiado (GO) e senador José Agripino (RN), e também pelo senador Demóstenes Torres (GO). Neste caso, também haveria direito a defesa.

Segundo o líder do DEM, na Câmara, Ronaldo Caiado (GO), a decisão de conceder prazo de defesa ao governador foi do presidente do partido, Rodrigo Maia (RJ). Ele avocou para si a decisão, e a nosa tese [ de expulsão sumária ] foi derrotada, disse.

Ontem (30), lideranças do Democratas estiveram com Arruda para obter explicações sobre as denúncias de envolvimento do governador num suposto esquema de pagamento de mesada a deputados distritais e secretários de seu governo, conforme investigação da Operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal.

Em novo vídeo, empresários distribuem dinheiro para o suposto "mensalão" do DEM. Assista abaixo:


Escândalo no Distrito Federal

Entenda

Inquérito da PF

Vídeos

Leia também:

Crise de 2001

* Com Reuters e Agência Brasil

    Leia tudo sobre: arruda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG