Delegado investiga morte de adolescente após agressão em escola, em Silva Jardim

RIO DE JANEIRO ¿ O delegado Dennis Hathaway, da 120ª DP (Silva Jardim), começou a ouvir nesta segunda-feira algumas testemunhas que poderão ajudar no esclarecimento da morte do adolescente Samuel Teles da Conceição, de 17 anos. Segundo o titular, todas as pessoas ligadas à vítima, como parentes, colegas de classe e funcionários da escola onde ela estudava, serão ouvidas.

Redação |

O adolescente foi agredido em uma sala de aula, na Escola Municipal Professora Vera Lúcia Pereira, em Silva Jardim, interior do Estado do Rio, no dia 22 de agosto. De acordo com parentes, Samuel foi espancando por causa de um novo corte de cabelo que tinha feito. Os colegas de classe teriam dado tapas e socos na cabeça da vítima, que não teria gostado e reclamado e, por isso, foi agredido.

Mesmo com a agressão, o jovem continuou indo às aulas e não contou o ocorrido aos pais já que estava sendo ameaçado. Seis dias depois de espancado, Samuel queixou-se à família de fortes dores de cabeça e foi atendido em uma clínica na região. Seu quadro de saúde se agravou e ele teve que ser transferido para o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes, zona norte do Rio, na última sexta-feira.

Samuel morreu na unidade no sábado e seu enterro aconteceu ontem, em Silva Jardim. Segundo a secretaria estadual de Saúde, uma radiografia feita no rapaz mostrou que ele teve uma lesão cerebral.

Nesta segunda-feira, parentes da vítima fizeram uma manifestação em frente à escola onde o jovem estudava. Eles cobraram explicações à diretoria do colégio e pediram justiça. Segundo o delegado Dennis Hathaway, se for comprovada que a agressão que deu origem à morte de Samuel foi cometida por menores de idade, eles responderão por ato infracional e, portanto, não será aberto um inquérito.

Leia mais sobre: violência

    Leia tudo sobre: adolescenteagressãomortesilva jardimviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG