Delegado da Operação Satiagraha também investigou Maluf, Chong e MSI

SÃO PAULO - O delegado Protógenes Queiroz, que comandou as investigações da Operação Satiagraha e levou à prisão o banqueiro Daniel Dantas, o ex-prefeito Celso Pitta e o megainvestidor Naji Nahas, já esteve à frente de outros casos polêmicos e de grande repercussão nacional.

Redação |

  • Carlos Costa:  é preciso republicanizar a Justiça
  • Entenda a operação Satiagraha da Polícia Federal
  • Veja o que ainda falta explicar no caso Daniel Dantas
  • Saiba quem são Naji Nahas, Daniel Dantas e Celso Pitta


  • AE
    Queiroz comanda Operação Satiagraha
    Queiroz comanda Operação Satiagraha
    Em abril de 2008, o delegado prendeu o comerciante chinês Law King Chong, considerado pela polícia um dos maiores contrabandistas do País. Chong foi acusado de usar shoppings populares dos quais é dono, na região da rua 25 de Março, em São Paulo, para vender produtos contrabandeados. O chinês já havia sido preso duas vezes: em 2004, acusado de crime de corrupção ativa, e em 2007, acusado dos crimes de contrabando e descaminho.

    Protógenes Queiroz também comandou, em 2007, as investigações do caso Corinthians/MSI, que acusou o empresário russo Boris Berezovsky, suposto investidor da empresa, de estar envolvido em crimes de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.  A Justiça Federal em São Paulo decretou a prisão de Berezovsky e do presidente da MSI, Kia Joorabchian. O caso envolveu, ainda, o ex-presidente do Corinthians, Alberto Dualib.

    Em 2005, o delegado pediu a prisão preventiva de Paulo Maluf, ex-prefeito de São Paulo, e do filho dele, Flávio Maluf, acusados de enviar dólares para o exterior ilegalmente. No relatório da PF, transcrições de ligações telefônicas interceptadas ligavam os Maluf a um doleiro. O ex-prefeito e seu filho ficaram presos por cerca de dez dias.

    Leia também:

      Leia tudo sobre: pf

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG