Delegada e 10 policiais são presos no interior do PR

A delegada titular da Delegacia do Alto Maracanã, no município de Colombo, região metropolitana de Curitiba, Márcia Rejane Vieira Marcondes, dez policiais civis, dois advogados, um funcionário da prefeitura de Colombo e duas outras pessoas foram presos hoje acusados de concussão (extorsão cometida por servidor público), corrupção passiva e formação de quadrilha. Outras quatro pessoas ainda estão sendo procuradas.

Agência Estado |

A operação foi coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná.

Também foram cumpridos 25 mandados de busca e apreensão. De acordo com o procurador de Justiça Leonir Batisti, coordenador do Gaeco, as investigações começaram em setembro do ano passado, detectando-se que três tipos de irregularidades aconteciam na delegacia. Em uma delas, quando ocorria uma prisão, os advogados que participariam do esquema eram chamados e faziam uma espécie de ponte com os familiares, com o objetivo de receber dinheiro e repassar à delegacia, em troca da liberação rápida do preso.

Em outra modalidade, o auto de flagrante era feito sem cumprir alguns requisitos, para que o preso pudesse ser facilmente liberado pela Justiça. O dinheiro pago aos advogados novamente era dividido entre os participantes do esquema. As investigações apontaram também que, quando um traficante era preso, a pessoa que "gerenciava" o tráfico na região era procurada e, sob ameaça de também constar do inquérito, acabava pagando. "Temos vítimas identificadas, são presos e parentes de presos", afirmou Batisti.

Há informações de que se chegou a pedir até R$ 30 mil pela liberação de um preso. O advogado da delegada, Beno Brandão, disse que teve acesso ao auto de prisão somente no fim da tarde de hoje e ainda não tivera tempo de ler. A Ordem dos Advogados do Paraná (OAB), seção Curitiba, informou ter acompanhado os policiais no cumprimento do mandado de busca e apreensão realizado nos escritórios dos advogados e agora analisam se o processo foi regular.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG