Defesa pede explicação de sentença contra Tranchesi

A defesa da dona da butique de luxo Daslu, Eliana Tranchesi, informou que entrou com embargos de declaração contra a decisão da 2ª Vara de Justiça Federal de Guarulhos, que condenou a empresária a 94,6 anos de prisão. Na prática, a medida, impetrada na segunda-feira e divulgada hoje, pede o esclarecimento de alguns pontos da sentença da juíza Maria Isabel do Prado para que a defesa possa recorrer ao Tribunal Regional Federal (TRF) da 3ª Região contra a condenação.

Agência Estado |

"A sentença possui várias contradições, várias omissões e vários pontos obscuros", afirma a advogada de Tranchesi, Joyce Roysen.

Como exemplo, a advogada diz que a sentença cita a empresária como "delinquente contumaz". "Essa acusação é para aquele que vem praticando delitos ao longo da vida, o que não é o caso", afirma. Ela negou que essa referência feita pela magistrada tenha relação com a acusação do Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP), de que os acusados no processo cometeram no Porto de Itajaí, em Santa Catarina, o mesmo crime de descaminho (fraude em importações) cometido no Aeroporto de Guarulhos, na Grande capital paulista, enquanto respondiam o processo em liberdade. "O caso de Itajaí não tem nada a ver", diz.

Em nota divulgada hoje, a defesa de Tranchesi considerou a decisão da 2ª Vara "uma aberração jurídica". Um dos pontos questionados é a citação sobre o crime de formação de quadrilha. "Entre as obscuridades, a menção na sentença a diversas quadrilhas compostas por apenas três integrantes deve ser esclarecida, uma vez que o Código Penal define como quadrilha a associação de pelo menos quatro pessoas com o fim de cometer crimes", consta no comunicado.

Roysen afirma que os embargos de declaração são necessários para que a defesa possa apelar ao TRF, que só então irá julgar o mérito da causa. "Para contestar a sentença eu preciso entender. Como posso apelar se não está claro o que a juíza quis dizer?", questiona a advogada. Ela diz ainda que, com os embargos, o prazo para a apelação contra a sentença - que venceria ontem - fica suspenso. Joyce Roysen afirma esperar que a magistrada esclareça sua decisão em até dez dias, para então entrar com recurso no TRF.

    Leia tudo sobre: daslu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG